Ivo Oliveira perde final mas garante medalha de prata

Ciclista luso foi batido na final dos Campeonatos do Mundo de pista coberta pelo italiano Filippo Ganna

O ciclista português Ivo Oliveira, de 21 anos, falhou esta sexta-feira a medalha de ouro na final da vertente de perseguição individual dos Campeonatos do Mundo de pista que decorrem na Holanda, perdendo para o italiano Filippo Ganna. De qualquer forma, o atleta luso fez história, garantindo a medalha de prata, um feito histórico para Portugal, que nunca tinha conseguido qualquer resultado de relevo nesta modalidade.

Filippo Ganna terminou a prova em 4.13,607 minutos, Ivo Oliveira ficou a 1,8 segundos do ouro.

A perseguição individual é uma prova em que os corredores partem em lados opostos da pista e vence aquele que consiga alcançar o adversário ou que complete os 4.000 metros antes do adversário.

Depois de ter assegurado a medalha de prata nos Europeus de sub-23 e de elite e na Taça do Mundo de Minsk, Ivo Oliveira viajou para a Holanda com o objetivo de melhorar o sexto lugar do ano passado, mas acabou por assegurar a primeira medalha de sempre de Portugal nos Mundiais de pista. "Não será especial se conquistar a primeira medalha para Portugal. Para mim, teria tanto valor se fosse a terceira ou a quarta", tinha assumido o jovem ciclista de 21 anos ao DN, no âmbito de uma reportagem publicada na quarta-feira.

Gémeo Rui foi quinto no scratch

Ivo Oliveira corre pela equipa Hagens Berman Axeon, tal como o gémeo Rui, que na quinta-feira alcançou o então melhor resultado português em Mundiais de ciclismo de pista, ao conseguir o quinto lugar na final de scratch.

A paixão dos irmãos de Vila Nova de Gaia pelo ciclismo é algo que lhes está no sangue, uma vez que não são os primeiros do seio familiar com ligações à modalidade. "O nosso pai [Fernando Oliveira] foi diretor desportivo de uma equipa, e o nosso irmão mais velho [Hélder Oliveira] corria profissionalmente, o que nos influenciou", contou Rui ao DN.

"É sempre bom ter o meu irmão a correr comigo. Treinamos e vamos para as corridas juntos, e desde pequenos que fazemos as mesmas coisas e andamos sempre juntos. Um ajuda o outro", corroborou Ivo, a justificar a ascensão à elite dos manos Oliveira, que sonham em estar presentes nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020.

Os Mundiais de pista de elite decorrem até domingo, com Rui Oliveira a disputar, no sábado, as quatro corridas pontuáveis para o omnium.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG