Um treinador, 18 'portugueses' e alguns velhos conhecidos

31.ª edição arranca este sábado com o Gabão-Guiné Bissau

O treinador Paulo Duarte, selecionador do Burkina-Faso, vai ser o único representante português na Taça das Nações Africanas de futebol (CAN), numa 31.ª edição que vai contar com 18 jogadores, grande parte da Guiné-Bissau, que atuam em Portugal.

No Gabão, o Sporting de Braga vai ser clube português mais representando, com três jogadores, embora apenas um, o avançado egípcio Hassan, seja utilizado na primeira equipa dos minhotos.

Na sua estreia absoluta na fase final da CAN, a Guiné-Bissau vai levar 13 futebolistas que competem nos campeonatos portugueses, embora só três atuem no principal escalão: Abel Camará, no Belenenses, João Mário, no Desportivo Chaves, e Candé, no Tondela.

Além do trio guineense e do bracarense Hassan, a I Liga vai ter ainda mais quatro representantes, sendo que se destaca o médio argelino Brahimi, que atua no FC Porto. Bakary Sané, do Moreirense, vai defender as cores do Burkina-Faso, Marega, do Vitória de Guimarães, estará no Mali e Kizito, do Rio Ave, foi chamado pelo Uganda.

Depois da presença em 2012, Paulo Duarte vai voltar a estar presente numa fase final da CAN e novamente no comando do Burkina-Faso. Há cinco anos, o treinador luso não passou da fase de grupos.

Também no banco de suplentes, mas no do Gabão, vai estar um 'velho' conhecido do futebol português, o espanhol José António Camacho, que passou duas vezes pelo comando técnico no Benfica.

A seleção de Marrocos vai ter no centro da defesa Manuel da Costa, um jogador que chegou a representar a seleção portuguesa nos escalões jovens e que, em 2014, optou por defender a nação norte-africana.

Aboubakar (Camarões), Slimani e Soudani (Argélia), Carcela-González (Marrocos) e Christian Atsu (Gana), todos jogadores que já aturam na I Liga, vão marcar também presença na próxima edição da CAN, que vai ser disputada entre 14 de janeiro e 05 de fevereiro.

Lista dos 'portugueses' convocados:

- Gabão: Serge Kevyn (União de Leira)

- Burkina-Faso: Bakary Saré (Moreirense)

- Guiné-Bissau: Jonas Mendes (Salgueiros), Lassana Camará (Académico de Viseu), Tomás Dábo e Piqueti (Sporting de Braga), Eridson (Freamunde), Abel Camará (Belenenses), Nani Soares (Felgueiras), Juary Soares (Mafra), Agostinho Soares (Sporting Covilhã), João Mário (Desportivo Chaves), Aldair (Olhanense), Candé (Tondela) e Rui Dabó (Cova Piedade).

- Argélia: Brahimi (FC Porto)

- Mali: Marega (Vitória de Guimarães)

- Egito: Hassan (Sporting de Braga)

- Uganda: Kizito (Rio Ave)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)