Um cavalo branco foi a estrela na inauguração de Wembley

Perante uma enchente que excedeu em muito a capacidade do estádio, houve a intervenção de polícias montados a cavalo, sobressaindo um de cor clara, chamado Billy, que virou imagem do dia

Pelé chamou-lhe a "catedral do futebol" e "a capital e o coração do futebol". O mítico Estádio de Wembley, no norte de Londres, foi inaugurado há 95 anos, a 28 de abril de 1923, pelo rei George V. Conhecido inicialmente como British Empire Exhibition Stadium ou simplesmente Empire Stadium, foi construído em 300 dias pela empresa de construção civil Sir Robert McAlpine e arquitetado por Sir Owen Williams, Sir John Simpson e Maxwell Ayrton, com o objetivo de acolher a Exposição do Império Britânico de 1924 e 1925.

Apesar do custo total da obra ter sido de 750 mil libras (868 mil euros ao câmbio atual), a intenção inicial passava por demolir o estádio no final do evento, mas o anfiteatro acabou por ser salvo após a insistência de um... escocês, Sir James Stevenson, que presidia a comissão organizadora da Exposição do Império Britânico.

O recinto, que estava destinado a uma destruição prematura, acabou por se tornar um palco mítico do futebol, com as torres gémeas como imagem de marca, assim como os 39 degraus que eram necessários subir até ao camarote real, onde os vencedores das finais levantavam as taças e eram distribuídas medalhas.

Quarenta anos após a inauguração, em 1963, o estádio foi renovado, recebendo um placar eletrónico e uma cobertura feita de alumínio e vidro translúcido. Inicial- mente preparado para acolher 127 mil espectadores, a capacidade foi reduzida para 82 mil lugares em 1989, depois de o desastre de Hills-borough ter obrigado o futebol inglês a abolir os peões e apenas permitir adeptos nas bancadas.

A viragem do milénio marcou também uma viragem para Wembley, que fechou em outubro de 2000 e começou a ser demolido em dezembro de 2002, para dar lugar a um novo estádio, com capacidade para 90 mil espectadores, inaugurado em 2007 e com um custo de 789 milhões de libras (913 milhões de euros).

Mas, entre 1923 e 2000, muito se jogou e decidiu em Wembley. Cinco finais da Taça dos Campeões Europeus - incluindo as de 1963 e 1968, perdidas pelo Benfica para AC Milan e Manchester United, respetivamente -, duas Taças das Taças e os jogos decisivos do Mundial 1966 e do Euro 1996 tiveram lugar no mítico palco, que anualmente acolhia as finais da Taça de Inglaterra e de outras competições do futebol inglês.

Billy ofuscou vitória do Bolton

Foi precisamente uma final da Taça de Inglaterra o primeiro evento que se realizou no estádio, no dia da inauguração. O Bolton venceu o West Ham por 2-0 - golos de Jack aos 2 minutos e de Ja Smith aos 53 -, mas o grande protagonista da tarde foi um cavalo branco, de nome Billy. Tudo porque a Federação Inglesa (FA) não emitiu bilhetes e admitiu entradas livres, proporcionando uma enchente, de entre 200 mil e 300 mil pessoas, segundo algumas estimativas, excedendo a capacidade oficial de 127 mil lugares. O resultado foi uma invasão do relvado e da zona adjacente ainda antes do encontro começar, o que motivou a intervenção de polícias montados a cavalo. Entre os cavalos, sobressaiu um de cor clara, que virou imagem do dia e daquela final, que ficou conhecida como a Final do Cavalo Branco.

A partida começou com 45 minutos de atraso, o que obrigou a Câmara dos Comuns a introduzir medidas de segurança nas finais seguintes. Mais de 80 anos depois, em maio de 2005, a ponte pedonal da estação ferroviária Wembley Stadium, próxima do estádio, foi batizada como White Horse Bridge (ponte do cavalo branco), depois de uma votação promovida pela BBC, em que também constavam as hipóteses Live Aid, Sir Alf Ramsey, Sir Bobby Charlton e Sir Geoff Hurst.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.