Treinador do Paços de Ferreira que "criar surpresa" no duelo com FC Porto

João Henriques acredita que a sua equipa "pode criar surpresa nesta jornada" ao conseguir travar o líder do campeonato, FC Porto, na partida deste domingo, da 26.ª ronda da I Liga.

Embora reconhecendo que "a possibilidade de o Paços de Ferreira conquistar pontos neste jogo é mínima", o técnico dos pacenses garantiu que a equipa tem "trabalhado bem" para inverter essa probabilidade e que se vai "agarrar ao que puder" para criar a tal surpresa.

"Sabemos que o FC Porto ainda não perdeu qualquer jogo oficial em provas nacionais e que, por isso, será uma partida tremendamente difícil. Nós vimos de uma sequência negativa, é um facto, mas estamos convictos de que temos trabalhado bem nas últimas semanas", começou por dizer João Henriques.

O treinador dos pacenses aludiu à e recente receção ao Benfica, em que a sua equipa até esteve a ganhar, antes de sofrer a reviravolta na parte final do encontro, para provar que o Paços de Ferreira "já demonstrou que contra equipas deste valor consegue criar oportunidades e fazer golos".

"Nada melhor do que encontrar uma equipa como o FC porto para podermos dar uma imagem do nosso valor real, daquilo que somos capazes de fazer e do trabalho que está a ser desenvolvido", apontou o técnico, que soma cinco derrotas consecutivas nos últimos desafios.

João Henriques admitiu a probabilidade de serem os dragões a terem mais oportunidades para marcar, mas desvendou um pouco da postura que a sua equipa terá, lembrando que "o jogo começa 0-0, e o Paços vai tentar mantê-lo para depois aproveitar as suas oportunidades".

"Vamos estar focados na baliza do FC Porto, mesmo sabendo que do outro lado está uma equipa que terá mais ataques e posse de bola durante o jogo. Temos de ser eficazes no menor número de ataques que vamos ter, trabalhando, também, para ter aquela estrelinha da sorte, para que a nossa baliza fique a zeros, sendo rigorosos no processo defensivo", sublinhou.

Questionado se as várias baixas no adversário podem ser uma vantagem para o Paços de Ferreira, o técnico dos castores não acredita em facilidades por esse motivo, embora vincando que sabe "as características dos jogadores que poderão ser opção no FC Porto para este jogo e que foram trabalhadas estratégias durante a semana".

"Uma equipa como o FC Porto nunca estará fragilizada perante o Paços de Ferreira. Poderá não ter os mesmos valores que habitualmente estão presentes, mas os que entrarem farão sempre uma equipa forte e ambiciosa, à procura de consolidar a sua posição na tabela classificativa", acrescentou.

Fora do âmbito desta partida frente aos azuis e brancos, e perante as várias polémicas que têm assolado o futebol português, e que, indiretamente, também afetam o Paços de Ferreira, João Henriques considerou que "é altura de se dizer basta".

"Temos de erradicar todas estas polémicas que tem assolado o futebol, mas temos de o fazer todos juntos, não podemos assobiar para o lado fingir que não estamos a ver. Temos de falar de coisas positivas para que se acabe com as maçãs podres do futebol", afirmou.

O treinador do Paços de Ferreira optou por não divulgar a lista de convocados para este desafio, mas sabe que não pode contar com Gian, que cumpre o segundo jogo de castigado, e André Leão, que recupera de lesão.

O Paços de Ferreira, 17.º classificado, com 21 pontos, recebe este domingo o líder FC Porto, com 67, numa partida agendada para as 20:15, no Estádio Capital do Móvel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.