Treinador do Paços de Ferreira que "criar surpresa" no duelo com FC Porto

João Henriques acredita que a sua equipa "pode criar surpresa nesta jornada" ao conseguir travar o líder do campeonato, FC Porto, na partida deste domingo, da 26.ª ronda da I Liga.

Embora reconhecendo que "a possibilidade de o Paços de Ferreira conquistar pontos neste jogo é mínima", o técnico dos pacenses garantiu que a equipa tem "trabalhado bem" para inverter essa probabilidade e que se vai "agarrar ao que puder" para criar a tal surpresa.

"Sabemos que o FC Porto ainda não perdeu qualquer jogo oficial em provas nacionais e que, por isso, será uma partida tremendamente difícil. Nós vimos de uma sequência negativa, é um facto, mas estamos convictos de que temos trabalhado bem nas últimas semanas", começou por dizer João Henriques.

O treinador dos pacenses aludiu à e recente receção ao Benfica, em que a sua equipa até esteve a ganhar, antes de sofrer a reviravolta na parte final do encontro, para provar que o Paços de Ferreira "já demonstrou que contra equipas deste valor consegue criar oportunidades e fazer golos".

"Nada melhor do que encontrar uma equipa como o FC porto para podermos dar uma imagem do nosso valor real, daquilo que somos capazes de fazer e do trabalho que está a ser desenvolvido", apontou o técnico, que soma cinco derrotas consecutivas nos últimos desafios.

João Henriques admitiu a probabilidade de serem os dragões a terem mais oportunidades para marcar, mas desvendou um pouco da postura que a sua equipa terá, lembrando que "o jogo começa 0-0, e o Paços vai tentar mantê-lo para depois aproveitar as suas oportunidades".

"Vamos estar focados na baliza do FC Porto, mesmo sabendo que do outro lado está uma equipa que terá mais ataques e posse de bola durante o jogo. Temos de ser eficazes no menor número de ataques que vamos ter, trabalhando, também, para ter aquela estrelinha da sorte, para que a nossa baliza fique a zeros, sendo rigorosos no processo defensivo", sublinhou.

Questionado se as várias baixas no adversário podem ser uma vantagem para o Paços de Ferreira, o técnico dos castores não acredita em facilidades por esse motivo, embora vincando que sabe "as características dos jogadores que poderão ser opção no FC Porto para este jogo e que foram trabalhadas estratégias durante a semana".

"Uma equipa como o FC Porto nunca estará fragilizada perante o Paços de Ferreira. Poderá não ter os mesmos valores que habitualmente estão presentes, mas os que entrarem farão sempre uma equipa forte e ambiciosa, à procura de consolidar a sua posição na tabela classificativa", acrescentou.

Fora do âmbito desta partida frente aos azuis e brancos, e perante as várias polémicas que têm assolado o futebol português, e que, indiretamente, também afetam o Paços de Ferreira, João Henriques considerou que "é altura de se dizer basta".

"Temos de erradicar todas estas polémicas que tem assolado o futebol, mas temos de o fazer todos juntos, não podemos assobiar para o lado fingir que não estamos a ver. Temos de falar de coisas positivas para que se acabe com as maçãs podres do futebol", afirmou.

O treinador do Paços de Ferreira optou por não divulgar a lista de convocados para este desafio, mas sabe que não pode contar com Gian, que cumpre o segundo jogo de castigado, e André Leão, que recupera de lesão.

O Paços de Ferreira, 17.º classificado, com 21 pontos, recebe este domingo o líder FC Porto, com 67, numa partida agendada para as 20:15, no Estádio Capital do Móvel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.