Sporting é tricampeão nacional de futsal

Leões renovam o título no quinto jogo da final do play-off.

O Sporting conquistou este sábado o título de campeão nacional de futsal. Após um empate a dois golos no tempo regulamentar, e uma igualdade a três no prolongamento, o jogo foi decidido nos penáltis.

Depois de uma primeira parte sem golos, o Benfica chegou à vantagem no marcador por Rául Campos (21') após assistência de Fernandinho. Aos 29', a equipa de Joel Rocha deu ainda maior expressão ao resultado com o brasileiro Fernandinho a fazer o 2-0 depois de um passe de Rafael Henmi.

A equipa leonina tinha dez minutos para reagir e fê-lo de pronto, mostrando no jogo aquilo que lhe tinha faltado na primeira parte. Primeiro foi Pany Varela (30') que aproveitou uma defesa incompleta de Roncaglio para reduzir para 2-1, depois foi Fortino a fazer o empate na sequência de um livre cobrado por Merlim.

No prolongamento, o Benfica apostou na estratégia do cinco para quatro e voltou para a frente do marcador com Fernandinho (43') a bisar no encontro. Mas o jogo não terminaria aí, pois o pivot Fortino voltou a marcar e empatou tudo a três golos.

Nas grandes penalidades, Fortino e Diogo marcaram para o Sporting, ao passo que Deives e Bruno Coelho falharam para o Benfica.

Deste modo, o Sporting consegue o tricampeonato, ao passo que o Benfica continua sem conseguir travar e a hegemonia leonina na modalidade.

No final da partida, o treinador do Benfica, Joel Rocha, considerou o resultado "cruel".

"Antes de mais, parabéns ao Sporting. Dos cinco jogos da final este foi aquele que o Benfica mais dominou e controlou, onde fomos emocionalmente racionais. Trabalhámos para não ir aos penáltis. Merecíamos mais, mas é assim a realidade", disse, em declarações à TVI.

Já Paulo Luís, treinador adjunto que esteve no banco dos leões por castigo de Nuno Dias, elogiou os jogadores e lembra as várias conquistas do Sporting este ano em todas as modalidades de pavilhão: "Somos tricampeões, não há muito a dizer. Os jogadores são os grandes obreiros deste campeonato. Tivemos quase fora desta competição, e recuperar como nós recuperámos foi fantástico".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."