Sorteio deixou Carlos Queiroz "muito contente"

Selecionador do Irão, de nacionalidade portuguesa, mostrou-se esta sexta-feira satisfeito por ter ficado no mesmo grupo de Portugal e Espanha. "Não podia ser melhor", confessa.

"Pessoalmente, estou muito contente porque é um grupo com duas seleções de dois países muito especiais para mim. Para nós [Irão], vai ser uma competição muito dura, fosse qual fosse o grupo. Mas quando estás com Espanha, que foi campeã do mundo, e Portugal, campeão da Europa. Não podia ser um melhor sorteio para mim", afirmou Carlos Queiroz, antigo selecionador nacional em duas ocasiões e antigo treinador do Real Madrid em 2003/04, em declarações à imprensa espanhola.

Questionado sobre a seleção mais forte entre Portugal e Espanha, não arriscou responder: "Temos que jogar contra Marrocos primeiro e depois vamos preparar muito bem os seguintes. O mais importante para o Irão é ir com garra, respeito e sair do Mundial com honra. Sem dúvida que Espanha e Portugal são favoritos são favoritos, a não ser que cometam erros, o que é pouco provável."

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.