Shawn Mendes fez a música oficial da Seleção Nacional

Respondendo a um pedido da Federação Nacional de Futebol, o músico adaptou o seu tema "In My Blood" e transformou-o num hino para o Mundial

"Eu vou acreditar! Que vamos conseguir, que vamos conquistar. Nós somos Portugal. Uma só voz e um coração!", canta Shawn Mendes no refrão da nova versão do seu êxito In My Blood. O tema será a música oficial de Portugal para o Campeonato do Mundo que começa esta quinta-feira na Rússia.

Este é o vídeo oficial do tema, que conta com imagens dos jogadores da Seleção Nacional:

Filho de um português, Shawn Mendes nasceu no Canadá há 19 anos, mas nunca escondeu a ligação emocional com o país de origem do seu pai e com a Seleção Nacional.

Desafiado pela Federação Portuguesa de Futebol a lançar uma música de apoio à Equipa das Quinas, o músico decidiu apresentar uma versão nova do seu tema In My Blood, lançado em março deste ano - esta foi a canção que chegou ao primeiro lugar do iTunes em 50 países e obteve, em menos de dois meses, 150 milhões de streams.

Na canção, Shawn Mendes canta pela primeira vez em português. O refrão da música tem versos dedicados a todos os portugueses e pretende ser "um hino à resiliência e à vontade de superar obstáculos", refere a FPF em comunicado, lembrando ainda que em várias ocasiões, tanto nas redes sociais como em entrevistas, o artista expressou também a sua admiração por Cristiano Ronaldo.

"Acompanho as seleções de Portugal e Inglaterra por influência dos meus pais, que vieram desses países. No Mundial vou torcer sobretudo por Portugal e pelo Cristiano Ronaldo, o meu jogador preferido e provavelmente uma das minhas maiores fontes de inspiração", disse recentemente o artista, que também jogou futebol durante a infância.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.