Salah, o egípcio que salvou a Roma e ressuscitou o Liverpool

Há um ano estava em Roma e nesta época carregou os reds até às meias-finais da Liga dos Campeões. Hoje é dia de reencontro

O Liverpool recebe hoje a Roma naquele que será o primeiro jogo das meias-finais da Liga dos Campeões. Um confronto entre duas equipas que surpreenderam nos quartos-de-final, eliminando Manchester City e Barcelona, respetivamente, e que terá um facto curioso a rodeá-lo: o reencontro de Salah com os ex-colegas, um ano depois de ter salvo a Roma de uma crise financeira... e de agora ter revitalizado o Liverpool.

Em junho de 2017, o clube italiano tinha a UEFA à perna devido ao fair play financeiro e foi obrigado a abrir mão do seu jogador mais cobiçado, o egípcio Salah, que rumou ao Liverpool por 42 milhões de euros. Na altura, a direção do emblema italiano explicou aos adeptos a razão da venda, para equilibrar as contas, de forma a evitar uma dura penalização do órgão máximo do futebol europeu.

Salah seguiu então para Inglaterra com destino ao Liverpool, onde encontrou um clube sedento de títulos e revelou-se fundamental para o sucesso dos reds nesta temporada, tendo sido mesmo eleito no último fim de semana como o melhor jogador da Premier League - é atualmente também o líder da Bota de Ouro, com 31 golos marcados no campeonato inglês (leva ainda oito na Champions, apenas atrás dos 15 de Ronaldo).

O egípcio, que entretanto está valorizado em 140 milhões de euros, será assim o principal destaque para o embate de hoje. O seu treinador, Jurgen Klöpp, também não tem dúvidas de que este regresso será especial. "Mudar de equipa também faz parte da vida de um jogador de futebol. Ele também é o que é graças à Roma. Sabemos que vai ser complicado para ele, mas é um profissional", salientou o alemão, confiante num bom resultado em Anfield Road. "Estamos bem preparados para seguir em frente, queremos dar ainda mais alegrias aos adeptos", confessou.

Eusebio Di Francesco, treinador da Roma, também não esquece Salah, mas adverte para o perigo de toda a equipa do Liverpool. "Para os vencermos temos de jogar como uma equipa e não nos podemos preocupar apenas com o Salah. É um talento que será muito bem recebido por todos quando vier ao Olímpico, mas, se nos preocuparmos apenas com ele, seremos derrotados diante do Liverpool", referiu o técnico italiano.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.