Rio Ave afasta Benfica nos oitavos de final (3-2)

Golos de Lionn, Rúben Ribeiro e Guedes deram o triunfo aos vila-condenses. Jonas adiantou águias e Luisão ainda levou jogo para prolongamento, mas o detentor do troféu saiu derrotado dos Arcos

O Benfica foi esta quarta-feira eliminado da Taça de Portugal pelo Rio Ave, ao sair derrotado por 2-3 do Estádio dos Arcos, nos oitavos de final, após prolongamento.

As águias até se adiantaram no marcador por Jonas, aos 36 minutos, indo para intervalo em vantagem, mas permitiu que os nortenhos tivessem dado a volta no segundo tempo, por Lionn (47') e Rúben Ribeiro (62').

Já nos últimos minutos dos 90, os encarnados restabeleceram a igualdade, por Luisão, aos 86', pouco depois de Jonas ter desperdiçado uma grande penalidade, permitindo a defesa de Cássio (83').

O capitão do Benfica lesionou-se pouco depois, abandonando a partida e deixando a equipa reduzida a dez unidades para o prolongamento. Nessa meia hora fatídica, o Rio Ave foi o único conjunto a voltar a marcar, por intermédio de Guedes (94').

ONZES INICIAIS

Rio Ave - Cássio; Lionn, Nélson Monte, Marcelo e Yuri Ribeiro; Tarantini e Pelé; Francisco Geraldes, João Novais e Rúben Ribeiro; Guedes.

Suplentes - Rui Vieira, Nadjak, Marcão, Leandrinho, Nuno Santos, Barreto e Yazalde.

Benfica - Bruno Varela; André Almeida, Luisão, Jardel e Grimaldo; Pizzi, Fejsa e Krovinovic; Salvio, Jonas e Cervi.

Suplentes - Svilar, Lisandro López, Filipe Augusto, Samaris, Zivkovic, Raúl Jiménez e Seferovic.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.