Rui Águas demite-se do cargo de selecionador de Cabo Verde

Salários em atraso na origem da demissão de Rui Águas

O treinador português Rui Águas anunciou hoje a demissão do cargo de selecionador de futebol de Cabo Verde, um ano e quatro meses após ter assumido a função.

Em comunicado, o antigo internacional português fala das dificuldades sistemáticas vividas ao longo desde período, aludindo implicitamente à situação de salários em atraso que a equipa técnica tem enfrentado.

"Decidi ser esta a altura indicada para procurar um novo rumo para a minha carreira. Mesmo sendo difícil para mim dar este passo, chegou o momento de deixar o cargo de selecionador nacional que tive o privilégio de ocupar até então", anunciou o técnico.

É costume dizer-se que os treinadores vivem de resultados, mas a verdade é que não é só deles que vivem as famílias

Rui Águas agradeceu ao ex-presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), Mário Semedo, e ao atual diretor geral dos Desportos cabo-verdianos, Gerson Melo, que nele apostaram, dizendo que proporcionaram-lhe a possibilidade de viver "momentos únicos", que "nunca" vai esquecer.

"Mas, porque tudo tem limites, penso ser o mais sensato fazer agora, em função das dificuldades que enquanto profissionais fomos sistematicamente vivendo", prosseguiu o técnico, de 55 anos.

A equipa técnica vem enfrentando vários problemas com salários em atraso, tendo o Governo do país manifestado disponibilidade para, em conjunto com a FCF, tentar encontrar uma solução para o problema, desde que seja para tal solicitado pelo órgão que rege o futebol cabo-verdiano.

"Procurei entretanto que esta saída acontecesse no período competitivo menos complicado possível, com maior intervalo temporal entre jogos, permitindo assim, com maior à vontade, a necessária restruturação da equipa técnica nacional", explicou.

No comunicado, Rui Águas agradeceu ainda aos adeptos cabo-verdianos "pela simpatia e pelo incrível apoio". "Acredito que dificilmente voltarei a viver momentos de tamanha alegria e intensidade, como aqueles que passámos juntos", disse.

"A todos os jogadores, staff técnico e também à imprensa, deixo o meu agradecimento e a certeza que continuarei a vibrar com as vitórias dos 'Tubarões Azuis', concluiu.

Em entrevista à agência Lusa a 08 de dezembro último, o presidente da FCF, Vítor Osório, garantiu que os problemas salariais com a equipa técnica estavam a ser resolvidos normalmente e que Rui Águas não estava de saída.

A federação alega que a remuneração da equipa técnica cabo-verdiana era assegurada pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), resultado de um acordo verbal feito com a antiga direção da FCF, então liderada por Mário Semedo.

Rui Águas foi apresentado em agosto de 2014 como selecionador de futebol de Cabo Verde, substituindo Lúcio Antunes, tendo levado os 'tubarões azuis' à Taça das Nações Africanas (CAN) de 2015, tendo ficado pela primeira fase, com três empates em outros tantos jogos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)