Rui Águas demite-se do cargo de selecionador de Cabo Verde

Salários em atraso na origem da demissão de Rui Águas

O treinador português Rui Águas anunciou hoje a demissão do cargo de selecionador de futebol de Cabo Verde, um ano e quatro meses após ter assumido a função.

Em comunicado, o antigo internacional português fala das dificuldades sistemáticas vividas ao longo desde período, aludindo implicitamente à situação de salários em atraso que a equipa técnica tem enfrentado.

"Decidi ser esta a altura indicada para procurar um novo rumo para a minha carreira. Mesmo sendo difícil para mim dar este passo, chegou o momento de deixar o cargo de selecionador nacional que tive o privilégio de ocupar até então", anunciou o técnico.

É costume dizer-se que os treinadores vivem de resultados, mas a verdade é que não é só deles que vivem as famílias

Rui Águas agradeceu ao ex-presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), Mário Semedo, e ao atual diretor geral dos Desportos cabo-verdianos, Gerson Melo, que nele apostaram, dizendo que proporcionaram-lhe a possibilidade de viver "momentos únicos", que "nunca" vai esquecer.

"Mas, porque tudo tem limites, penso ser o mais sensato fazer agora, em função das dificuldades que enquanto profissionais fomos sistematicamente vivendo", prosseguiu o técnico, de 55 anos.

A equipa técnica vem enfrentando vários problemas com salários em atraso, tendo o Governo do país manifestado disponibilidade para, em conjunto com a FCF, tentar encontrar uma solução para o problema, desde que seja para tal solicitado pelo órgão que rege o futebol cabo-verdiano.

"Procurei entretanto que esta saída acontecesse no período competitivo menos complicado possível, com maior intervalo temporal entre jogos, permitindo assim, com maior à vontade, a necessária restruturação da equipa técnica nacional", explicou.

No comunicado, Rui Águas agradeceu ainda aos adeptos cabo-verdianos "pela simpatia e pelo incrível apoio". "Acredito que dificilmente voltarei a viver momentos de tamanha alegria e intensidade, como aqueles que passámos juntos", disse.

"A todos os jogadores, staff técnico e também à imprensa, deixo o meu agradecimento e a certeza que continuarei a vibrar com as vitórias dos 'Tubarões Azuis', concluiu.

Em entrevista à agência Lusa a 08 de dezembro último, o presidente da FCF, Vítor Osório, garantiu que os problemas salariais com a equipa técnica estavam a ser resolvidos normalmente e que Rui Águas não estava de saída.

A federação alega que a remuneração da equipa técnica cabo-verdiana era assegurada pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), resultado de um acordo verbal feito com a antiga direção da FCF, então liderada por Mário Semedo.

Rui Águas foi apresentado em agosto de 2014 como selecionador de futebol de Cabo Verde, substituindo Lúcio Antunes, tendo levado os 'tubarões azuis' à Taça das Nações Africanas (CAN) de 2015, tendo ficado pela primeira fase, com três empates em outros tantos jogos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.