Renato Sanches eleito o melhor futebolista jovem em dezembro

Jogador do Benfica tem 18 anos e bateu e estreou-se na equipa principal a 30 de outubro

O médio do Benfica Renato Sanches, de 18 anos, foi eleito o melhor futebolista jovem de dezembro na I Liga, na votação levada a cabo pelo Sindicato de Jogadores de Futebol Profissional (SJFP).

Renato Sanches, que se estreou na equipa principal do Benfica a 30 de outubro (como suplente utilizada na vitória fora frente ao Tondela por 4-0) e chegou a titular a 25 de novembro (empate fora 2-2 com o Astana), mereceu 15,87 por cento das preferências.

O jogador bateu na votação o também médio Ruben Neves (14,02 por cento), do FC Porto, e André Moreira (12,69), do União da Madeira.

Na II Liga, a escolha recaiu no guarda-redes Vítor São Bento (Farense), com 10,63 por cento, seguido de Francisco Geraldes (Sporting B), com 9,99, e de Pedrinho (Freamunde), com 9,43.

A eleição, destinada a futebolistas que até à data de inscrição tenham completado 23 anos, é feita através da votação realizada no site do SJPF (ponderação final de 40%) e das notas atribuídas pela imprensa desportiva diária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.