Quim: "Vencer a Taça não entrava nos meus objetivos"

Veterano guarda-redes de 42 anos eufórico após a conquista da Taça de Portugal por parte do Desportivo das Aves

"O primeiro herói não sou eu, são estes jogadores todos, após uma época difícil, e as pessoas da Vila das Aves. Tinha dito que tudo faria para que este clube pudesse continuar na I Liga, mas vencer a Taça de Portugal não entrava nos meus objetivos...", começou por dizer Quim, em declarações à RTP.

O veterano guarda-redes de 42 anos vincou que esta vitória não teve sabor a vingança a Jorge Jesus, que o dispensou do Benfica em 2010, e afirmou que o Desp. Aves encarou o jogo à espera do melhor Sporting. "Tentámos encarar o jogo como um jogo normal. Encarámos como um jogo difícil, porque se pensássemos que era fácil perderíamos o jogo. O Aves foi um vencedor justíssimo. O clube está de parabéns, têm feito tudo por nós. É fantástico vencer a Taça de Portugal", afirmou, já a pensar na festa em Vila das Aves: "Nem imagino. Quando subimos de divisão, nunca tinha visto tanta gente em Vila das Aves. Acredito que vão ser mais ainda."

Já o herói do encontro, Alexandre Guedes, classificou o momento como "inesquecível". "Nunca pensámos em ganhar a Taça, quanto mais ganhar. Momentos como este são únicos", confessou. "Este é um momento muito feliz, não é fácil ganhar uma final, quanto mais contra o Sporting", aditou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.