Portugal foi o 82.º país a entrar numa cerimónia marcada pela união das Coreias

Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang começaram esta sexta-feira. A comitiva portuguesa foi liderada pelo atleta Kequyen Lam

A comitiva portuguesa foi hoje a 82.ª a entrar na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang2018, marcada pelo desfile unificado das duas Coreias.

No final da passagem das 91 comitivas, chegou o momento mais aguardado da cerimónia de abertura, com as delegações da Coreia do Sul e da Coreia do Norte a desfilarem em conjunto, sob uma bandeira branca com o mapa da península coreana desenhado a azul.

Tal como havia acontecido aquando da entrada do presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e do presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, a irmã mais nova de Kim Jong-un, líder norte-coreano, cumprimentou os responsáveis sul-coreanos presentes no Estádio Olímpico de PyeongChang.

Kim Yo-jung é o primeiro membro da dinastia Kim a visitar a Coreia do Sul.

Esta foi a quarta vez que as duas Coreias desfilaram em conjunto em Jogos Olímpicos, depois de já o terem feito nas edições de Verão de 2000 e 2004 e de Inverno de 2006.

Além de terem desfilado em conjunto, as Coreias vão ainda ter uma equipa conjunta no torneio feminino de hóquei no gelo.

De forma simbólica, os discursos inaugurais dos responsáveis da Coreia do Sul e do COI foram feitos com a comitiva coreana por trás.

A comitiva portuguesa, liderada por Kequyen Lam, um dos dois atletas lusos em prova -- juntamente com Arthur Hanse --, foi a 82.ª a entrar no Estádio Olímpico.

Destaque também para o desfile da comitiva russa, que entrou sob bandeira neutra, depois de o país ter sido proibido de participar devido a um caso de doping sistemático apoiado pelo governo.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.