Kequyen Lam é o porta-estandarte português na abertura

O esquiador Kequyen Lam, um dos dois representantes portugueses nos Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang2018, vai ser o porta-estandarte luso na cerimónia de abertura da competição, agendada para sexta-feira, anunciou o Comité Olímpico Português (COP).

"O Kequyen é um estreante em Jogos Olímpicos, mas está totalmente envolvido no espírito da missão, como também está o Arthur Hanse. Há quatro anos foi o Arthur o porta estandarte, pelo que considerámos que seria justo atribuir esta missão ao Kequyen", disse o Pedro Farromba, o chefe da missão portuguesa, em declarações à assessoria de imprensa do COP.

Farromba, que preside à Federação Portuguesa de Desportos de Inverno, considerou ainda que a escolha de um atleta que vive no Canadá, "foi também uma forma de homenagear os milhares de portugueses que vivem" naquele país.

Portugal vai estar, pela primeira vez, representado em duas modalidades nos Jogos Olímpicos PyeongChang2018, com Arthur Hanse, no esqui alpino, e Kequyen Lam, em esqui de fundo.

Arthur Hanse, que vive em França, vai disputar as provas de slalom gigante e slalom, em 18 e 22 de fevereiro, respetivamente, quatro anos depois de, na estreia olímpica, não ter terminado ambas as provas de esqui alpino.

Kequyen Lam, antigo snowboarder de 38 anos, nasceu em Macau e vive no Canadá, vai competir na modalidade de cross country (15 km), uma das vertentes do esqui nórdico.

Os Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang2018 vão disputar-se entre sexta-feira e 25 de fevereiro.

.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.