Kequyen Lam é o porta-estandarte português na abertura

O esquiador Kequyen Lam, um dos dois representantes portugueses nos Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang2018, vai ser o porta-estandarte luso na cerimónia de abertura da competição, agendada para sexta-feira, anunciou o Comité Olímpico Português (COP).

"O Kequyen é um estreante em Jogos Olímpicos, mas está totalmente envolvido no espírito da missão, como também está o Arthur Hanse. Há quatro anos foi o Arthur o porta estandarte, pelo que considerámos que seria justo atribuir esta missão ao Kequyen", disse o Pedro Farromba, o chefe da missão portuguesa, em declarações à assessoria de imprensa do COP.

Farromba, que preside à Federação Portuguesa de Desportos de Inverno, considerou ainda que a escolha de um atleta que vive no Canadá, "foi também uma forma de homenagear os milhares de portugueses que vivem" naquele país.

Portugal vai estar, pela primeira vez, representado em duas modalidades nos Jogos Olímpicos PyeongChang2018, com Arthur Hanse, no esqui alpino, e Kequyen Lam, em esqui de fundo.

Arthur Hanse, que vive em França, vai disputar as provas de slalom gigante e slalom, em 18 e 22 de fevereiro, respetivamente, quatro anos depois de, na estreia olímpica, não ter terminado ambas as provas de esqui alpino.

Kequyen Lam, antigo snowboarder de 38 anos, nasceu em Macau e vive no Canadá, vai competir na modalidade de cross country (15 km), uma das vertentes do esqui nórdico.

Os Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang2018 vão disputar-se entre sexta-feira e 25 de fevereiro.

.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.