Presidente do Aves sobre a Liga Europa: "Acreditámos que bastava ganhar a Taça"

Luiz Andrade insiste que o clube ganhou dentro de campo o direito de participar nas provas da UEFA, mas critica sistema que "não prevê que o clube pequeno possa ganhar a taça".

As notícias avançadas esta segunda-feira indicam que, apesar de ter conquistado a Taça de Portugal, o Desportivo das Aves não terá direito a participar na próxima edição da Liga Europa - por não ter feito o licenciamento para as competições europeias em tempo útil. No entanto, o assunto não parece encerrado: o presidente da SAD do emblema avense, Luiz Andrade, é evasivo sobre a matéria, sublinhando que o clube ganhou dentro de campo o direito de participar nas provas da UEFA, mas criticando um sistema que "não prevê que o clube pequeno possa ganhar a taça".

"Sempre nos foi comunicado que bastava ganhar a Taça de Portugal para estar na Liga Europa. Sempre acreditámos nisso. Fomos iludidos por alguém de fora. Ganhámos dentro de campo, merecemos, trabalhámos por isso", sublinhou Luiz Andrade, em declarações aos jornalistas, à margem das comemorações da conquista da prova-raínha do futebol português pelo emblema avense.

Caso se confirme a exclusão do clube da Liga Europa (com o Sporting a passar a entrar na fase de grupos e o Rio Ave a herdar uma vaga nas pré-eliminatórias), Luiz Andrade não esconde a desilusão. "Eu não culpo ninguém em particular, mas um sistema que não prevê que o clube pequeno possa ganhar a taça", apontou, admitindo que "o Aves não tem estrutura para jogar a Liga Europa este ano...", mas que a presença na competição daria muito jeito a nível financeiro. ""A Liga Europa só tem uma situação: ou o Aves já tem o orçamento pago para o próximo ano ou não tem", explicou.

Garantida está a estreia do Desportivo das Aves na Supertaça Cândido de Oliveira. O vencedor da Taça de Portugal vai enfrentar o campeão nacional, FC Porto, no primeiro fim de semana de agosto - no jogo que marcará a abertura oficial da época 2018/19 em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.