Presidente do Aves sobre a Liga Europa: "Acreditámos que bastava ganhar a Taça"

Luiz Andrade insiste que o clube ganhou dentro de campo o direito de participar nas provas da UEFA, mas critica sistema que "não prevê que o clube pequeno possa ganhar a taça".

As notícias avançadas esta segunda-feira indicam que, apesar de ter conquistado a Taça de Portugal, o Desportivo das Aves não terá direito a participar na próxima edição da Liga Europa - por não ter feito o licenciamento para as competições europeias em tempo útil. No entanto, o assunto não parece encerrado: o presidente da SAD do emblema avense, Luiz Andrade, é evasivo sobre a matéria, sublinhando que o clube ganhou dentro de campo o direito de participar nas provas da UEFA, mas criticando um sistema que "não prevê que o clube pequeno possa ganhar a taça".

"Sempre nos foi comunicado que bastava ganhar a Taça de Portugal para estar na Liga Europa. Sempre acreditámos nisso. Fomos iludidos por alguém de fora. Ganhámos dentro de campo, merecemos, trabalhámos por isso", sublinhou Luiz Andrade, em declarações aos jornalistas, à margem das comemorações da conquista da prova-raínha do futebol português pelo emblema avense.

Caso se confirme a exclusão do clube da Liga Europa (com o Sporting a passar a entrar na fase de grupos e o Rio Ave a herdar uma vaga nas pré-eliminatórias), Luiz Andrade não esconde a desilusão. "Eu não culpo ninguém em particular, mas um sistema que não prevê que o clube pequeno possa ganhar a taça", apontou, admitindo que "o Aves não tem estrutura para jogar a Liga Europa este ano...", mas que a presença na competição daria muito jeito a nível financeiro. ""A Liga Europa só tem uma situação: ou o Aves já tem o orçamento pago para o próximo ano ou não tem", explicou.

Garantida está a estreia do Desportivo das Aves na Supertaça Cândido de Oliveira. O vencedor da Taça de Portugal vai enfrentar o campeão nacional, FC Porto, no primeiro fim de semana de agosto - no jogo que marcará a abertura oficial da época 2018/19 em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.