Porto de fora do circuito da Red Bull Air Race em 2018

A prova passou pelo Porto e Vila Nova de Gaia em setembro

Portugal fica de fora do circuito de 2018 da Red Bull Air Race, uma competição aérea que este ano passou pelo Porto e Vila Nova de Gaia, disseram esta quarta-feira os promotores do evento.

Contactada pela Lusa, a organização da competição considerada como o campeonato do mundo da aviação desportiva limitou-se a afirmar que "não será realizada em 2018 uma etapa da Red Bull Air Race em Portugal".

Pondo fim a um interregno de oito anos, a prova regressou ao Porto e Vila Nova de Gaia este ano e o diretor geral da Red Bull Air Race, Erich Wolf, admitiu, em 08 de março, durante a apresentação pública da etapa do circuito mundial de 2017, que podia regressar noutros anos se fosse "convidado".

"Ficaríamos satisfeitos se voltássemos depois de 2017. Porto e Gaia são uma das melhores localizações mundiais do campeonato. É uma localização única. Estamos prontos para voltar se formos convidados", destacou Erich Wolf.

Na apresentação em que o presidente do Turismo do Porto e Norte, Melchior Moreira, revelou que a prova de 2017 iria custar seis milhões de euros, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, assegurou que a candidatura estava "aprovada", referindo que o compromisso era que "cada uma das autarquias" pagasse "225 mil euros" pela etapa do campeonato mundial, para além da "parte logística em cada uma das margens" do rio Douro.

Na mesma ocasião, o presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, destacou a "verdadeira parceria estratégica" posta em prática para a realização do evento em Portugal.

No segundo dia da prova, que decorreu em 2 e 3 de setembro, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, em declarações à Lusa afirmou que o Governo veria "com bons olhos a sua continuação".

"É um esforço que o Governo central, as autarquias, os patrocinadores todos têm de fazer para que estes eventos continuem, mesmo requerendo um grande esforço de organização e de apoio financeiro", frisou Manuel Caldeira Cabral.

O título de Campeão do Mundo de 2018 arranca a 2 e 3 de fevereiro em Abu Dhabi, nos Emiratos Árabes Unidos, seguindo-se Cannes (França) a 21 e 22 de abril. Em maio, os pórticos insufláveis com 25 metros de altura vão erguer-se noutra localização europeia, ainda por revelar, na terceira etapa da época, voando depois em Budapeste, na Hungria, a 23 e 24 de junho.

Segue-se a Ásia, no início de agosto, numa localização ainda a anunciar e, a 25 e 26 desse mês, dá-se o regresso a Kazan, na Rússia. A 6 e 7 de outubro será a vez de Indianápolis, nos Estados Unidos, sendo a Ásia, em localização a confirmar, a região do planeta para ser disputada em novembro a final.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.