Portimonense goleia V. Setúbal (5-2) e dá salto na tabela

Sete golos no último jogo da jornada 10. Teve de tudo o encontro de Portimão. Golos, muitos golos, penálti, expulsão e até a intervenção decisiva do VAR

Não se pode falar em vingança por os sadinos terem vencido a meio da semana passada para a Taça da Liga em Portimão, mas a verdade é que os algarvios entraram com muita vontade.

Mesmo assim, foram os homens de Couceiro a marcar primeiro por Arnold aos três minutos, mas aos seis o espanhol Rosell, emprestado pelo Sporting ao Portimonense, empatou aos seis minutos. O jogo estava elétrico e Dener e Fabrício fizeram mais dois para os recém-promovidos aos 22 e 25 minutos, o último na cobrança de uma grane penalidade. Ou seja, quatro golos em 25 minutos.

No segundo tempo, Paulinho fez um golo extraordinário que daria o 4-1 aos 61 minutos. Aqui percebeu-se que o V. Setúbal sentiu o avolumar do resultado e Vasco Fernandes foi expulso após dar um pontapé na cabeça de Fabrício. O árbitro começou por dar amarelo mas foi ver as imagens a conselho do VAR e expulsou o capitão sadino. Talvez o amarelo assentasse melhor pois o gesto não é intencional.

Cinco minutos volvidos o inevitável Fabrício fez o bis mas o Vitória encerrou as contas com um golo do suplente utilizado Podstawski, só validado por intervenção do VAR pois, primeiramente, António Nobre, o árbitro do encontro, tinha assinalado fora-de-jogo ao futebolista formado no FC Porto.

Veja o resumo do jogo:

Grande jogo de futebol que permitiu ao Portimonense saltar do 15.º para o 11.º lugar, tendo agora 11 pontos, mais um que o seu opositor desta segunda-feira. Já agora, a seguir aos três grandes, o melhor ataque mora em Portimão com 19 golos em 10 encontros, uma média quase de dois golos por jogo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.