Portimonense: a 10.ª equipa que Vítor Oliveira sobe de divisão

Há pouco menos de um ano, o treinador já tinha conduzido o Desportivo de Chaves ao escalão maior do futebol português

O Portimonense é o 10.º capítulo de sucesso do treinador Vítor Oliveira, que reforçou o estatuto de 'rei' das subidas na II Liga portuguesa de futebol, ao assegurar mais uma promoção ao escalão principal.

Aos 63 anos, o antigo futebolista, natural de Matosinhos, que já orientou quase duas dezenas de emblemas, operou o regresso dos algarvios à I Liga, onde não atuam desde 2011, somando a 10.ª subida da carreira e a quinta consecutiva, em 17 presenças no segundo escalão.

Há pouco menos de um ano, Vítor Oliveira já tinha conduzido o Desportivo de Chaves ao convívio dos 'grandes', depois de ter igualmente participado nas campanhas profícuas de Arouca (2012/13), Moreirense (2013/14) e União da Madeira (2014/15) na II Liga.

Porém, o técnico não acompanhou nenhum destes quatro clubes na subida, sendo que, no caso dos minhotos, acabou mesmo por deixar a equipa antes do final da temporada, saindo após a 33.ª jornada, quando o Moreirense ocupava o segundo lugar da prova.

Há dois anos, Vítor Oliveira explicou o porquê de fazer carreira na II Liga, ao invés de seguir o percurso das equipas que sobe.

"Às vezes é melhor estar na II Liga a jogar para subir, do que estar na I Liga a perder e a desgastar-se. Nessas duas propostas, acho que prefiro uma equipa da II. Gosto de futebol e de treinar, independentemente de ser na I ou na II. Mas bom mesmo é estar na I Liga", disse.

Ainda assim, a 'ligação' de Vítor Oliveira ao segundo escalão começou no início da década de 90, liderando o Paços de Ferreira à I Liga, em 1990/91, algo que voltaria a alcançar com Académica (1996/97), União de Leiria (1997/98), Belenenses (1998/99) e Leixões (2006/07).

Também nesses anos, o técnico optou por não continuar com os emblemas que orientava, exceção feita ao Paços de Ferreira, no qual se manteve na temporada seguinte à subida, terminando no 12.º posto da I Liga 1991/92.

Na divisão maior, Vítor Oliveira contabiliza 14 presenças, a última das quais ao comando do Moreirense, em 2004/05, quando não terminou a época, sendo substituído por Jorge Jesus, a três rondas do final da prova.

Entre os desempenhos na I Liga, sobressai um sétimo lugar precisamente pelo Portimonense, em 1985/86, bem como um oitavo e um nono pelo Gil Vicente, respetivamente em 2002/03 e 1992/93.

Agora, pelo emblema de Portimão, que também está próximo de assegurar o título de campeão da II Liga, Vítor Oliveira prepara-se para regressar à divisão maior, sabendo de antemão que, até ao momento, todas as equipas que subiu mantiveram-se no escalão principal na época seguinte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.