Pedro Martins deixa Vitória de Guimarães

Decisão anunciada pelo presidente Júlio Mendes após a goleada sofrida este domingo frente ao Sp. Braga

A histórica derrota por 0-5 no dérbi minhoto frente ao rival Sp. Braga foi o fim de linha para Pedro Martins em Guimarães. O treinador sai do Vitória, anunciou o presidente Júlio Mendes após uma breve reunião com o técnico no final do jogo.

"O 'mister' Pedro Martins não é mais treinador deste clube", afirmou o dirigente, na sala de imprensa do Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, após o jogo da 23.ª jornada do campeonato.

Já na flash-interview após o encontro, Pedro Martins tinha dito que ia "assumir todas as responsabilidades".

Derrota pesada para o Vitória SC, que desde que se viu a perder, e depois de ter ficado reduzido a 10 unidades, nunca mais conseguiu reagir e acabou por ser goleado ante um SC Braga que esteve matador na finalização.

Antes do jogo houve momentos de grande tensão.

O anúncio da saída de Pedro Martins, que se encontrava no clube desde a última temporada, eleva para dez os despedimentos de treinadores na edição 2017/18 da Liga.

Foram dez as saídas, mas apenas sete os clubes a mudarem de treinador, sendo que Desportivo das Aves, Paços de Ferreira e Moreirense já trocaram por duas vezes de técnico.

O último tinha sido o Moreirense, que na terça-feira oficializou o regresso de Petit, após a saída de Sérgio Vieira. A equipa de Moreira de Cónegos já tinha também deixado de contar com Manuel Machado, à décima jornada.

Na presente edição do campeonato, também trocaram duas vezes de treinador o Paços de Ferreira, que começou a época com Vasco Seabra, prosseguiu com Petit e é agora orientado por João Henriques, e o Desportivo das Aves, agora orientado por José Mota, como coordenador técnico, depois de Ricardo Soares ter sido sucedido por Lito Vidigal.

Entre as 'chicotadas psicológicas' na I Liga, além das seis protagonizadas por estes clubes, contam-se ainda as saídas de técnicos de Boavista, Estoril Praia e Belenenses, com as entradas de Jorge Simão, Ivo Vieira e Silas, para os lugares de Miguel Leal, Pedro Emanuel e Domingos Paciência, respetivamente

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."