Paulo Santos, o empresário que passou pela baliza dos três grandes

Foi campeão pelo Benfica, venceu a Taça UEFA pelo FC Porto e ainda foi ao Mundial da Alemanha. Hoje representa uma marca internacional de suplementos alimentares

Em 2006, então ao serviço do Sporting de Braga, entrou no lote de convocados para o Campeonato do Mundo que se realizou na Alemanha, chamado pelo selecionador de Portugal Luiz Felipe Scolari. Seis anos depois terminava a carreira, ao serviço do Rio Ave, e pouco mais se ouviu falar do guarda-redes Paulo Santos. Atualmente com 44 anos, afastou-se do futebol - gere um negócio com a mulher (um salão de estética e beleza) e é representante de uma marca de suplementos e nutrição.

"Ainda tirei o curso de treinador de terceiro nível, mas não apareceram propostas para dirigir uma equipa. Ponderei esperar por uma oportunidade durante algum tempo, mas a verdade é que a vida tinha de andar para a frente. Não podia ficar parado à espera que o telefone tocasse, tinha de avançar com a vida, até porque tenho família e também nunca fui de estar parado, nunca tive problemas em trabalhar. O futebol era um sonho, mas nunca me arrependi da decisão que acabei por tomar", contou ao DN o antigo guarda-redes de Sporting, Benfica, FC Porto e Sp. Braga, entre outros, salientando que não guarda mágoa por não ter conseguido ficar ligado à sua paixão.

"Nada disso, só tenho de agradecer a vida que tive no futebol, tudo o que ganhei, as oportunidades que tive, não posso estar agora a queixar-me porque não seria verdade. Fiz tudo o que sempre quis e felizmente não olho para trás com tristeza. Não tenho mágoa do futebol, apenas a minha vida seguiu outro caminho. Foram mais de 20 anos ligados ao futebol e por isso não posso estar magoado, tive uma carreira da qual me orgulho e de que recordo sempre com muito carinho. Simplesmente a minha vida acabou por não seguir o rumo do futebol, mas estou bem e feliz, isso é o mais importante", confessou o jogador, que em 1993-1994 se sagrou campeão pelo Benfica, tendo também vencido a Taça UEFA pelo FC Porto em 2002-2003 e um Campeonato da Europa de sub-16 (1989).

Nova vida começou em 2016

Em 2012, o antigo guarda-redes decidiu, aos 39 anos, colocar um ponto final na carreira. Natural de Odivelas, tornou-se proprietário de um salão de estética e beleza no Jardim da Amoreira, que é gerido pela sua mulher. Mais recentemente, entrou num outro negócio que nada tem que ver com futebol.

Há cerca de um ano, Ramirez, um amigo e ex-jogador do Benfica, apresentou-lhe um novo projeto, o mundo 4Life, tendo passado a ser representante desta marca internacional de suplementos alimentares e de nutrição.

"O Ramirez apresentou-me esta ideia e acabei por ficar convencido, sobretudo porque tem que ver com a saúde e o bem-estar das pessoas, o que me deixou ainda mais satisfeito. Sempre fui desportista e agora tenho o privilégio de ajudar as pessoas com estes produtos. Tenho a certeza, aliás, de que este projeto será o futuro de muitas pessoas e eu já estou cá, a lutar pelo que quero", salientou o antigo futebolista, que ainda se recorda de ter partilhado o balneário com algumas estrelas do futebol português.

"No Sporting joguei nas camadas jovens com o Luís Figo e depois, quando cheguei ao Benfica, tive como colega o Rui Costa. Mais tarde ainda fui treinado pelo José Mourinho no FC Porto e cheguei à seleção nacional. Fui convocado para o Mundial da Alemanha quando estava no Sp.Braga, onde passei os melhores momentos desportivos da minha carreira", referiu o agora empresário.

O Mundial que não esperava

Paulo Santos recorda com emoção a sua experiência num campeonato do mundo. Venceu, é certo, um Europeu de sub-16, mas em 2006 também foi chamado por Luiz Felipe Scolari para ir à Alemanha. Algo que acabou por surpreendê-lo. "O Ricardo jogava sempre, depois ainda havia o Quim, não estava à espera de ser chamado, mesmo após a lesão do Bruno Vale, havia outros bons guarda-redes, mas felizmente acabou por recair em mim essa escolha, acredito que foi por tudo que vinha a fazer em Braga", assinalou o jogador, que não ficou triste por não ter feito qualquer jogo na Alemanha. "Sabia ao que ia."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.