O milagre do Tondela fez cair o União. Rio Ave ganha Europa ao Paços

Na II Liga, o Feirense fez a festa da subida e acompanha o Chaves no principal escalão. Benfica B salvou-se

O Tondela e o Rio Ave foram os grandes vencedores do campeonato português, garantindo a permanência e o apuramento para as competições europeias, respetivamente. O União da Madeira junta-se à Académica nas equipas que seguem para a segunda liga, tendo o Paços de Ferreira perdido a corrida para a UEFA.

Até ontem, o Tondela estava na zona de despromoção e não dependia apenas de si próprio para se manter na I Liga, pois teria de ficar à espera do resultado do União da Madeira, que recebia o Rio Ave. Os tondelenses cedo se colocaram na frente do marcador, diante da Académica, com um golo de Pica logo aos 12 minutos, mas o facto do União da Madeira ter começado a vencer o Rio Ave aos 36", com um golo de Amilton, colocava a formação orientada por Petit de volta à segunda divisão. A reviravolta dos vilacondenses, que lutavam pelo apuramento para a Liga Europa, na segunda parte, contudo, fez que os de Tondela também pudessem fazer a festa, até porque na etapa complementar também voltaram a marcar, aos 53", por Luís Alberto.

A recuperação dos comandados por Petit (que começou a temporada no Boavista) é de salientar, tendo apenas perdido um dos últimos oitos jogos para o campeonato, somando cinco vitórias e dois empates, o que dá um total de 17 pontos nestas últimas oito rondas, contra apenas 13 nas 26 jornadas anteriores.

Petit, o técnico do Tondela, era ontem a imagem da satisfação. "Era um jogo fundamental, sabíamos que não dependíamos só de nós mas queríamos ganhar. Íamos sabendo os outros resultados, a reação do público também nos ia dizendo, mas foram meses de muito trabalho sempre a acreditar que era possível, com jogadores formidáveis que acreditaram sempre", salientou o treinador do Tondela.

Também Pedro Martins, treinador do Rio Ave, estava orgulhoso de chegar às competições europeias. "Qualquer pessoa dirá que com dedicação e entrega é possível fazer a diferença. Nos últimos anos este clube tem crescido e não é por acaso. Sem desprimor para o Paços e para o Estoril, que fizeram excelentes temporadas, era uma injustiça para nós. Andámos em várias frentes, fizemos 22 ou 23 jornadas em lugares europeus e este grupo merece tudo o que aconteceu. Este grupo de trabalho, a direção, os sócios, e as nossas famílias estão todos de parabéns", afirmou.

Feirense junta-se ao Chaves

Depois do Desportivo de Chaves ter carimbado a subida de divisão na penúltima jornada, ontem foi a vez de outra equipa se juntar aos transmontanos, neste caso o Feirense.

A equipa de Santa Maria da Feira lutava pela subida com Freamunde e Portimonense, mas levou a melhor sobre os seus adversários. É verdade que não foi além de um empate (1-1) fora com o Desportivo de Chaves, mas beneficiou de idêntico resultado (0-0) da equipa algarvia na Póvoa de Varzim e ainda da derrota do Freamunde no terreno do Benfica B, por expressivos 5-0.

Esta vitória dos encarnados, que ontem contaram com alguns jogadores da equipa A, como Gonçalo Guedes (dois golos), Nélson Semedo (um, os outros foram apontados por Dálcio e João Carvalho) e Jovic, também salvou a formação de Hélder Cristóvão da descida de divisão.

À partida para a 46.ª jornada, as águias estavam na zona de descida de divisão, mas fruto do empate do Mafra (1-1) em casa do Desportivo de Aves acabou por ser a equipa do Oeste a ser relegada para a segunda divisão. Refira-se, contudo, que caso algum ato de corrupção seja provado no âmbito da Operação Jogo Duplo (ver peça na página 52) muito ainda poderá haver a dizer no que às descidas diz respeito, nomeadamente o caso do Leixões, que ontem se salvou da descida a quatro minutos do fim, ao vencer a Oliveirense por 2-1.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.