O milagre do Tondela fez cair o União. Rio Ave ganha Europa ao Paços

Na II Liga, o Feirense fez a festa da subida e acompanha o Chaves no principal escalão. Benfica B salvou-se

O Tondela e o Rio Ave foram os grandes vencedores do campeonato português, garantindo a permanência e o apuramento para as competições europeias, respetivamente. O União da Madeira junta-se à Académica nas equipas que seguem para a segunda liga, tendo o Paços de Ferreira perdido a corrida para a UEFA.

Até ontem, o Tondela estava na zona de despromoção e não dependia apenas de si próprio para se manter na I Liga, pois teria de ficar à espera do resultado do União da Madeira, que recebia o Rio Ave. Os tondelenses cedo se colocaram na frente do marcador, diante da Académica, com um golo de Pica logo aos 12 minutos, mas o facto do União da Madeira ter começado a vencer o Rio Ave aos 36", com um golo de Amilton, colocava a formação orientada por Petit de volta à segunda divisão. A reviravolta dos vilacondenses, que lutavam pelo apuramento para a Liga Europa, na segunda parte, contudo, fez que os de Tondela também pudessem fazer a festa, até porque na etapa complementar também voltaram a marcar, aos 53", por Luís Alberto.

A recuperação dos comandados por Petit (que começou a temporada no Boavista) é de salientar, tendo apenas perdido um dos últimos oitos jogos para o campeonato, somando cinco vitórias e dois empates, o que dá um total de 17 pontos nestas últimas oito rondas, contra apenas 13 nas 26 jornadas anteriores.

Petit, o técnico do Tondela, era ontem a imagem da satisfação. "Era um jogo fundamental, sabíamos que não dependíamos só de nós mas queríamos ganhar. Íamos sabendo os outros resultados, a reação do público também nos ia dizendo, mas foram meses de muito trabalho sempre a acreditar que era possível, com jogadores formidáveis que acreditaram sempre", salientou o treinador do Tondela.

Também Pedro Martins, treinador do Rio Ave, estava orgulhoso de chegar às competições europeias. "Qualquer pessoa dirá que com dedicação e entrega é possível fazer a diferença. Nos últimos anos este clube tem crescido e não é por acaso. Sem desprimor para o Paços e para o Estoril, que fizeram excelentes temporadas, era uma injustiça para nós. Andámos em várias frentes, fizemos 22 ou 23 jornadas em lugares europeus e este grupo merece tudo o que aconteceu. Este grupo de trabalho, a direção, os sócios, e as nossas famílias estão todos de parabéns", afirmou.

Feirense junta-se ao Chaves

Depois do Desportivo de Chaves ter carimbado a subida de divisão na penúltima jornada, ontem foi a vez de outra equipa se juntar aos transmontanos, neste caso o Feirense.

A equipa de Santa Maria da Feira lutava pela subida com Freamunde e Portimonense, mas levou a melhor sobre os seus adversários. É verdade que não foi além de um empate (1-1) fora com o Desportivo de Chaves, mas beneficiou de idêntico resultado (0-0) da equipa algarvia na Póvoa de Varzim e ainda da derrota do Freamunde no terreno do Benfica B, por expressivos 5-0.

Esta vitória dos encarnados, que ontem contaram com alguns jogadores da equipa A, como Gonçalo Guedes (dois golos), Nélson Semedo (um, os outros foram apontados por Dálcio e João Carvalho) e Jovic, também salvou a formação de Hélder Cristóvão da descida de divisão.

À partida para a 46.ª jornada, as águias estavam na zona de descida de divisão, mas fruto do empate do Mafra (1-1) em casa do Desportivo de Aves acabou por ser a equipa do Oeste a ser relegada para a segunda divisão. Refira-se, contudo, que caso algum ato de corrupção seja provado no âmbito da Operação Jogo Duplo (ver peça na página 52) muito ainda poderá haver a dizer no que às descidas diz respeito, nomeadamente o caso do Leixões, que ontem se salvou da descida a quatro minutos do fim, ao vencer a Oliveirense por 2-1.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.