Morreu Mircea Costache, antigo selecionador de Portugal

Foi selecionador português entre 1988 e 1995

O romeno Mircea Costache, que foi selecionador nacional de andebol de Portugal e levou a seleção lusa a um título europeu de juniores, morreu esta terça-feira em Bucareste, revelou hoje a Federação de Andebol de Portugal.

Costache, que tinha 75 anos e morreu de problemas cardíacos após enfarte, foi, antes de ser treinador, um dos melhores jogadores da Roménia, por quem conquistou o Campeonato do Mundo em 1961 e 1964.

A nível de clubes e ainda como jogador, foi um dos símbolos do Dínamo de Bucareste, clube onde o corpo está em câmara ardente e de onde partirá o funeral, quinta-feira.

Além dos dois títulos mundiais como jogador, tinha ainda a medalha de bronze do Mundial de 1967 e ao serviço do Dínamo foi campeão europeu em 1965 e vice-campeão em 1963, numa carreira em que totalizou ainda oito campeonatos nacionais.

Quando passou a treinador, nos anos 70, continuou a ter sucesso, nomeadamente na Argélia, com quem venceu os Jogos Africanos (1973). Foi campeão universitário de África (1974) e levou a seleção argelina a um Mundial, pela primeira vez, em 1974. Venceu, ainda, alguns títulos nacionais enquanto treinador do Nadit.

Em 1988, aceitou o convite para treinar as seleções masculinas de Portugal, ficando no cargo até 1995. Em setembro de 1992, sagrou-se Campeão Europeu de Juniores, na Suíça, vindo depois a receber do Governo de Portugal a Medalha de Bons Serviços Desportivos.

Depois de deixar as seleções, ainda foi treinador do Águas Santas, Vitória de Setúbal e Sporting da Horta. Em 2003 mudou-se para Serpa, onde esteve ao serviço da Câmara Municipal de Serpa e, simultâneamente, treinou o clube local.

Regressou à Roménia em 2013, onde a sua carreira foi distinguida com condecorações como as Medalhas de Mérito Desportivo e de Mérito Desportivo com Excelência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.