Mourinho Félix. Partiu um dos guarda-redes de Abril

Pai de José Mourinho foi guardião do Vitória de Setúbal e do Belenenses. Como treinador subiu os sadinos e levou o Rio Ave ao Jamor em 1984. Corpo do antigo jogador e treinador do Vit. Setúbal estará em câmara ardente, na capela do Socorro, em Setúbal, na segunda-feira. Funeral na terça-feira às 11.00.

Morreu José Manuel Mourinho Félix (Lagoa, Ferragudo, 17 de junho de 1936). Mais conhecido nos últimos tempos por ser pai do Special One, Mourinho Félix foi muito mais do que progenitor daquele que é um dos melhores treinadores do mundo. Destacou-se na baliza do V. Setúbal, clube pelo qual conquistou uma Taça de Portugal, em 1965, e do Belenenses, onde acabou a carreira de jogador. O corpo de Mourinho Félix vai ser velado a partir de hoje, na Capela do Socorro, em Setúbal, estando o funeral marcado amanhã, às 11.00.

Terminou a carreira em 1974 e juntou-se assim ao grupo dos guarda-redes que por um ou outro motivo ficaram na história do 25 de Abril, juntamente com Vítor Damas, Manuel Bento ou Zé Gato, entre outros. Quando a liberdade saiu à ruas, Mourinho Félix trocou as luvas e a baliza pelo banco e o treino, que mais tarde serviria de inspiração ao filho José. Pôs termo à carreira ao serviço do Belenenses (1974) com oito jogos no campeonato nacional e doze golos sofridos, antes de passar a baliza a Celestino Ruas.

Foi depois no Restelo que deu os primeiros passos como treinador, chegou a treinar enquanto jogava. Depois orientou Estrela de Portalegre, Caldas, União de Leiria, Amora, Rio Ave, Belenenses, Varzim, União da Madeira, Elvas, Paredes, Benfica e Castelo Branco, União de Santarém e Vit. Setúbal.

No banco viveu dois grandes momentos. O primeiro na época de 1981/82, quando subiu o seu Vitória de Setúbal à I Divisão e reforçou a equipa, entre outros, com José Mourinho. Depois mudou-se para Vila do Conde, onde, em 1984, conseguiu levar o Rio Ave à final da Taça de Portugal (perdeu 4-1, frente ao FC Porto). Duarte Sá era o capitão e recordou esses tempos em 2014: "Mourinho Félix conseguia ter os jogadores do lado dele. Era muito próximo de nós."

Característica essa que hoje em dia é a imagem de marca do filho José, que viu festejar duas Liga dos Campeões (FC Porto e Inter), entre muitos outros títulos nacionais e internacionais. Mourinho não precisou de palavras para prestar homenagem ao pai, no Instragram, com uma fotografia (ver ao lado).

Quase não via os jogos do filho

Mourinho Félix era uma pessoa reservada e muito raramente falava sobre o filho, sobretudo quando José Mourinho se tornou um treinador de sucesso. Segundo Fernando Tomé, amigo da família, Félix Mourinho, a dada altura, deixou de assistir aos jogos dos clubes que o filho treinava.

"Quando o Zé Mário treinava o FC Porto, ele sentiu-se mal num jogo que o FC Porto perdeu no campeonato. A partir daí, nunca mais assistiu aos jogos decisivos do filho. Por vezes ele ia a Londres até ao estádio, mas evitava aqueles jogos determinantes. Ele saía de casa e ficava a cronometrar os minutos do jogo, dava um passeio e depois regressava quando o jogo tinha terminado", contou à TV Globo Fernando Tomé, em 2013.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.