Morreu o ex-atleta olímpico Manuel Oliveira

Manuel Oliveira, quarto classificado nos 3.000 metros obstáculos nos Jogos Olímpicos Tóquio1964, morreu hoje aos 76 anos, anunciou a Federação Portuguesa de Atletismo

Segundo a Federação, o antigo corredor, que na sexta-feira completaria 77 anos, estava internado na unidade de cuidados intensivos do Hospital São José.

Nascido em Mangualde em 1940, Oliveira teve como maior resultado o quarto posto nos Jogos de 1964, mas participou ainda nas Olimpíadas de 1960, em Roma, nos 5.000 metros, e em 1964, na Cidade do México, nos 3.000 obstáculos.

Foi recordista nacional em quatro distâncias diferentes, com destaque para os 3.000 metros obstáculos, onde registou a melhor marca em 24 de abril de 1964, sendo batido em 29 de julho de 1979, mais de 15 anos depois.

Nos 10.000 metros, deteve a melhor marca por três vezes, entre 25 de agosto de 1961 e 26 de junho de 1965, entre 11 de julho de 1965 a 18 de julho de 1967, e por fim de 13 de julho de 1968 a 04 de agosto de 1968.

Nos 5.000 metros, o antigo atleta do Sporting deteve o recorde entre 1960 e 1972, melhorando por cinco vezes o tempo conseguido, enquanto nos 1.500 metros foi recordista entre 1961 a 1968, batendo três vezes o próprio registo.

A Federação Portuguesa de Atletismo e o Comité Olímpico de Portugal já manifestaram, em comunicado, pesar pela morte de Manuel Oliveira, oferecendo "as mais sentidas condolências" à família.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.