Lusitano de Évora "honrado" com visita do FC Porto

O presidente da SAD do Lusitano de Évora afirmou hoje que o clube está "honrado" por receber o FC Porto na terceira eliminatória da Taça de Portugal em futebol e prometeu uma equipa "engrandecida" no duelo.

"É uma honra receber em Évora um clube com a grandeza e historial do FC Porto e reeditar duelos antigos", declarou o líder da SAD lusitanista, Nuno Madeira Rodrigues, em declarações à agência Lusa.

O responsável do clube alentejano reconheceu o "poderio" dos 'dragões', mas assinalou que o Lusitano de Évora vai "engrandecer-se e jogar para ganhar", porque também tem as suas "armas".

O FC Porto vai defrontar o Lusitano de Évora, que disputa os Distritais, na terceira eliminatória da Taça de Portugal, estando o jogo marcado, à condição, para 15 de outubro, na cidade alentejana.

Madeira Rodrigues manifestou-se convencido de que o "velhinho" Campo Estrela, "casa" do clube alentejano, reúne todas as condições para a realização da partida, mas admitiu que o jogo se possa ser disputado noutro local.

"Há uma série de questões por resolver, nomeadamente o local e a data do jogo", adiantou o responsável, indicando que o estádio do clube alentejano "pode não reunir as condições exigidas pela federação".

O presidente da SAD do Lusitano de Évora calcula que o jogo com o FC Porto pode permitir um encaixe de "quase 100 mil euros, entre direitos televisivos e bilheteira", o que vai permitir "um grande desafogo" nas contas do clube.

Fundado a 11 de novembro de 1911, o Lusitano de Évora militou 14 temporadas seguidas na primeira divisão nacional, nos anos 50 e 60, tendo chegado a uma meia-final da Taça de Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.