Lusitano de Évora "honrado" com visita do FC Porto

O presidente da SAD do Lusitano de Évora afirmou hoje que o clube está "honrado" por receber o FC Porto na terceira eliminatória da Taça de Portugal em futebol e prometeu uma equipa "engrandecida" no duelo.

"É uma honra receber em Évora um clube com a grandeza e historial do FC Porto e reeditar duelos antigos", declarou o líder da SAD lusitanista, Nuno Madeira Rodrigues, em declarações à agência Lusa.

O responsável do clube alentejano reconheceu o "poderio" dos 'dragões', mas assinalou que o Lusitano de Évora vai "engrandecer-se e jogar para ganhar", porque também tem as suas "armas".

O FC Porto vai defrontar o Lusitano de Évora, que disputa os Distritais, na terceira eliminatória da Taça de Portugal, estando o jogo marcado, à condição, para 15 de outubro, na cidade alentejana.

Madeira Rodrigues manifestou-se convencido de que o "velhinho" Campo Estrela, "casa" do clube alentejano, reúne todas as condições para a realização da partida, mas admitiu que o jogo se possa ser disputado noutro local.

"Há uma série de questões por resolver, nomeadamente o local e a data do jogo", adiantou o responsável, indicando que o estádio do clube alentejano "pode não reunir as condições exigidas pela federação".

O presidente da SAD do Lusitano de Évora calcula que o jogo com o FC Porto pode permitir um encaixe de "quase 100 mil euros, entre direitos televisivos e bilheteira", o que vai permitir "um grande desafogo" nas contas do clube.

Fundado a 11 de novembro de 1911, o Lusitano de Évora militou 14 temporadas seguidas na primeira divisão nacional, nos anos 50 e 60, tendo chegado a uma meia-final da Taça de Portugal.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.