Loris Karius, do Liverpool, sofreu concussão na final da 'Champions'

O guarda-redes alemão Loris Karius, do Liverpool, sofreu uma concussão durante a final da Liga dos Campeões de futebol, perdida para o Real Madrid, revelaram hoje médicos do Hospital de Massachussetts, nos Estados Unidos.

Ross Zafonte e Lenore Herget, que trataram o alemão cinco dias após o encontro, que os espanhóis venceram por 3-1, explicaram que após "analisar cuidadosamente as imagens do jogo" e os antecedentes de Karius, concluíram que este sofreu "uma concussão".

Na final da 'Champions', Karius cometeu dois erros que custaram golos aos ingleses, primeiro ao lançar a bola para os pés do francês Benzema, no primeiro golo, antes de fazer uma defesa incompleta a um remate de longe do galês Bale, no terceiro.

"No momento da nossa avaliação, os principais sintomas residuais e sinais objetivos de Karius sugerem que sofreu uma disfunção espácio-visual que provavelmente ocorreu depois do sucedido - que provocou a concussão", concluem os médicos, que admitem que a lesão "tenha afetado o rendimento".

Karius, que foi submetido a vários exames, entre eles um TAC, não terá sequelas e poderá "recuperar completamente", asseguraram Zafonte e Herget, em comunicado, no qual explicam ainda que a lesão pode ter sido causada por um choque durante a partida.

Os dois médicos norte-americanos apontaram um lance aos 49 minutos, em que o defesa espanhol Sergio Ramos choca com o guarda-redes, como a causa da concussão.

No mesmo jogo, Ramos esteve envolvido numa disputa de bola com o egípcio Mohamed Salah, que saiu lesionado num ombro ao fim de meia hora em campo, tendo estado em dúvida até hoje sobre a presença no Mundial2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.