A 13.ª do Real Madrid teve bicicleta de Bale e frangos de Karius

O Real Madrid conquistou hoje a sua terceira Liga dos Campeões de futebol consecutiva, 13.ª da sua história, ao vencer o Liverpool, por 3-1, em Kiev, numa partida em que brilhou o galês Gareth Bale, autor de dois golos.

Num jogo discreto para o português Cristiano Ronaldo, a chave do sucesso do treinador Zinedine Zidane foi Gareth Bale, que saiu do banco para marcar dois golos, um de bicicleta, aos 64 minutos, e outro com um remate de longe, aos 83, com culpas para o guarda-redes do Liverpool.

Numa final que terminou cedo para o egípcio Mohamed Salah, substituído por lesão aos 30 minutos, destaque ainda, pela negativa, para o guarda-redes alemão do Liverpool Loris Karius, que 'ofereceu' dois golos aos 'merengues'.

O Liverpool teve um bom início de jogo, empurrando o Real Madrid para a sua área defensiva e dificultando ao máximo a construção de jogo dos espanhóis, mas aos 30 minutos perdeu parte do seu fulgor com a saída do egípcio Mohamed Salah, por lesão.

O defesa espanhol Varane, aos quatro, sete e oito minutos, desfez três situações de ataque da formação inglesa, e aos 11 minutos foi a vez do brasileiro Marcelo aliviar a pressão com um remate em posição frontal, mas ao lado.

Aos 15 minutos, surgiu no jogo Cristiano Ronaldo, lançado por Daniel Carvajal, mas o remate do internacional português, de ângulo apertado, saiu ligeiramente por cima da baliza defendida pelo guarda-redes alemão Loris Karius.

Van Dijk, aos 19 minutos, cabeceou por cima da baliza do Real Madrid, e aos 24 foi a vez do guarda-redes Keylor Navas negar o golo a Alexander-Arnold, na recarga a um primeiro remate de Firmino contra Sérgio Ramos.

Mohamed Salah, aos 30 minutos, foi obrigado a deixar o relvado, por lesão, tal como Daniel Carvajal, aos 36, e a saída do egípcio teve reflexos diretos no rendimento da equipa do Liverpool, que perdeu grande parte da sua acutilância

O Real Madrid tirou partido dessa situação para 'crescer' no jogo e criar três oportunidades de perigo de rajada ainda antes do intervalo, por Cridstiano Ronaldo, aos 43 minutos, Nacho, aos 45, e Karim Benzema, aos 45+2.

Na segunda parte, mantendo a mesma toada com que fechou a primeira, o Real Madrid voltou a estar perto do golo através de um remate de Isco à barra, aos 48 minutos, e chegou mesmo à vantagem por Benzema (1-0), aos 51, no aproveitamento de um erro monumental do guarda-redes Loris Karius.

O Liverpool reagiu da melhor forma à oferta do seu guarda-redes, que atirou a bola contra o pé de Benzema, e chegou ao empate por Sadio Mané (1-1), aos 55 minutos, com um desvio na cara de Keylor Navas, após cabeceamento de Dejan Lovren.

O galês Gareth Bale entrou no jogo aos 61 minutos, por troca com Isco, e foi ainda a tempo de desenhar um dos momentos mais belos da final de Kiev ao apontar o segundo golo do Real Madrid (2-1), aos 64, de pontapé de bicicleta, a centro de Marcelo.

O Liverpool voltou a reagir da melhor forma à desvantagem e o senegalês Sadio Mané, que já tinha marcado o golo do empate aos 55, colocou a equipa do Real Madrid de sentido com um remate à base do poste da baliza defendida por Keylor Navas.

Aos 74 minutos, Andrew Robertson, com um corte no limite, travou a hipótese a Cristiano Ronaldo visar a baliza do Liverpool, negando ao internacional português, melhor marcador da Liga dos Campeões, a possibilidade de somar o 16.º.

Aos 83 minutos, o Real Madrid aumentou a vantagem para 3-1 por Gareth Bale, que fez o seu segundo golo na final, num lance em que o guarda-redes alemão Loris Karius, com uma má abordagem ao remate de longe do galês, volta a ter sérias culpas.

Van Dijk, aos 90 minutos, voltou a impedir que a bola chegasse a Cristiano Ronaldo e, já no período de descontos, foi um espetador que entrou em campo e impediu, já dentro da área do Liverpool, que o português conseguisse rematar á baliza.

Com a vitória frente ao Liverpool, numa final com algumas peripécias, como a lesão de Mohamed Salah e os dois bónus do guarda-redes alemão Loris Karius, o Real Madrid conquistou a sua 13.ª Liga dos Campeões, terceira consecutiva.

Jogo no Estádio Olímpico de Kiev, na Ucrânia.

Real Madrid, Esp -- Liverpool, Ing, 3-1.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Karim Benzema, 51 minutos.

1-1, Sadio Mané, 55.

2-1, Gareth Bale, 64.

3-1, Gareth Bale, 83.

Equipas:

- Real Madrid: Keylor Navas, Daniel Carvajal (Nacho, 36), Raphaël Varane, Sérgio Ramos, Marcelo, Casemiro, Luka Modric, Toni Kroos, Isco (Gareth Bale, 61), Karim Benzema (Marco Asensio, 89) e Cristiano Ronaldo.

(Suplentes: Francisco Casilla, Nacho, Gareth Bale, Theo Hernández, Lucas Vázquez, Marco Asensio e Mateo Kovacic).

Treinador: Zinedine Zidane.

- Liverpool: Loris Karius, Alexander-Arnold, Dejan Lovren, Van Dijk, Andrew Robertson, Jordan Henderson, James Milner (Emre Can, 83), Georginio Wijnaldum, Mohamed Salah (Adam Lallana, 31), Roberto Firmino e Sadio Mané.

(Suplentes: Simon Mignolet, Nathaniel Clyne, Ragnar Klavan, Alberto Moreno, Adam Lallana, Emre Can e Dominic Solanke).

Treinador: Jürgen Kloop.

Árbitro: Milorad Mazic (Sérvia).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Sadio Mané (82).

Assistência: cerca de 70 mil espetadores.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.