A 13.ª do Real Madrid teve bicicleta de Bale e frangos de Karius

O Real Madrid conquistou hoje a sua terceira Liga dos Campeões de futebol consecutiva, 13.ª da sua história, ao vencer o Liverpool, por 3-1, em Kiev, numa partida em que brilhou o galês Gareth Bale, autor de dois golos.

Num jogo discreto para o português Cristiano Ronaldo, a chave do sucesso do treinador Zinedine Zidane foi Gareth Bale, que saiu do banco para marcar dois golos, um de bicicleta, aos 64 minutos, e outro com um remate de longe, aos 83, com culpas para o guarda-redes do Liverpool.

Numa final que terminou cedo para o egípcio Mohamed Salah, substituído por lesão aos 30 minutos, destaque ainda, pela negativa, para o guarda-redes alemão do Liverpool Loris Karius, que 'ofereceu' dois golos aos 'merengues'.

O Liverpool teve um bom início de jogo, empurrando o Real Madrid para a sua área defensiva e dificultando ao máximo a construção de jogo dos espanhóis, mas aos 30 minutos perdeu parte do seu fulgor com a saída do egípcio Mohamed Salah, por lesão.

O defesa espanhol Varane, aos quatro, sete e oito minutos, desfez três situações de ataque da formação inglesa, e aos 11 minutos foi a vez do brasileiro Marcelo aliviar a pressão com um remate em posição frontal, mas ao lado.

Aos 15 minutos, surgiu no jogo Cristiano Ronaldo, lançado por Daniel Carvajal, mas o remate do internacional português, de ângulo apertado, saiu ligeiramente por cima da baliza defendida pelo guarda-redes alemão Loris Karius.

Van Dijk, aos 19 minutos, cabeceou por cima da baliza do Real Madrid, e aos 24 foi a vez do guarda-redes Keylor Navas negar o golo a Alexander-Arnold, na recarga a um primeiro remate de Firmino contra Sérgio Ramos.

Mohamed Salah, aos 30 minutos, foi obrigado a deixar o relvado, por lesão, tal como Daniel Carvajal, aos 36, e a saída do egípcio teve reflexos diretos no rendimento da equipa do Liverpool, que perdeu grande parte da sua acutilância

O Real Madrid tirou partido dessa situação para 'crescer' no jogo e criar três oportunidades de perigo de rajada ainda antes do intervalo, por Cridstiano Ronaldo, aos 43 minutos, Nacho, aos 45, e Karim Benzema, aos 45+2.

Na segunda parte, mantendo a mesma toada com que fechou a primeira, o Real Madrid voltou a estar perto do golo através de um remate de Isco à barra, aos 48 minutos, e chegou mesmo à vantagem por Benzema (1-0), aos 51, no aproveitamento de um erro monumental do guarda-redes Loris Karius.

O Liverpool reagiu da melhor forma à oferta do seu guarda-redes, que atirou a bola contra o pé de Benzema, e chegou ao empate por Sadio Mané (1-1), aos 55 minutos, com um desvio na cara de Keylor Navas, após cabeceamento de Dejan Lovren.

O galês Gareth Bale entrou no jogo aos 61 minutos, por troca com Isco, e foi ainda a tempo de desenhar um dos momentos mais belos da final de Kiev ao apontar o segundo golo do Real Madrid (2-1), aos 64, de pontapé de bicicleta, a centro de Marcelo.

O Liverpool voltou a reagir da melhor forma à desvantagem e o senegalês Sadio Mané, que já tinha marcado o golo do empate aos 55, colocou a equipa do Real Madrid de sentido com um remate à base do poste da baliza defendida por Keylor Navas.

Aos 74 minutos, Andrew Robertson, com um corte no limite, travou a hipótese a Cristiano Ronaldo visar a baliza do Liverpool, negando ao internacional português, melhor marcador da Liga dos Campeões, a possibilidade de somar o 16.º.

Aos 83 minutos, o Real Madrid aumentou a vantagem para 3-1 por Gareth Bale, que fez o seu segundo golo na final, num lance em que o guarda-redes alemão Loris Karius, com uma má abordagem ao remate de longe do galês, volta a ter sérias culpas.

Van Dijk, aos 90 minutos, voltou a impedir que a bola chegasse a Cristiano Ronaldo e, já no período de descontos, foi um espetador que entrou em campo e impediu, já dentro da área do Liverpool, que o português conseguisse rematar á baliza.

Com a vitória frente ao Liverpool, numa final com algumas peripécias, como a lesão de Mohamed Salah e os dois bónus do guarda-redes alemão Loris Karius, o Real Madrid conquistou a sua 13.ª Liga dos Campeões, terceira consecutiva.

Jogo no Estádio Olímpico de Kiev, na Ucrânia.

Real Madrid, Esp -- Liverpool, Ing, 3-1.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Karim Benzema, 51 minutos.

1-1, Sadio Mané, 55.

2-1, Gareth Bale, 64.

3-1, Gareth Bale, 83.

Equipas:

- Real Madrid: Keylor Navas, Daniel Carvajal (Nacho, 36), Raphaël Varane, Sérgio Ramos, Marcelo, Casemiro, Luka Modric, Toni Kroos, Isco (Gareth Bale, 61), Karim Benzema (Marco Asensio, 89) e Cristiano Ronaldo.

(Suplentes: Francisco Casilla, Nacho, Gareth Bale, Theo Hernández, Lucas Vázquez, Marco Asensio e Mateo Kovacic).

Treinador: Zinedine Zidane.

- Liverpool: Loris Karius, Alexander-Arnold, Dejan Lovren, Van Dijk, Andrew Robertson, Jordan Henderson, James Milner (Emre Can, 83), Georginio Wijnaldum, Mohamed Salah (Adam Lallana, 31), Roberto Firmino e Sadio Mané.

(Suplentes: Simon Mignolet, Nathaniel Clyne, Ragnar Klavan, Alberto Moreno, Adam Lallana, Emre Can e Dominic Solanke).

Treinador: Jürgen Kloop.

Árbitro: Milorad Mazic (Sérvia).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Sadio Mané (82).

Assistência: cerca de 70 mil espetadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.