Iranianos pedem desculpa a Ronaldo por festa em frente ao hotel

Grupo de adeptos esteve a cantar junto ao hotel da seleção nacional em Saransk. O barulho foi tal que Cristiano Ronaldo apareceu à janela a pedir para se calarem e a federação pediu ajuda às autoridades

O Twitter e o Instagram de Cristiano Ronaldo foram "inundados" por pedidos de desculpa de adeptos iranianos depois de serem conhecidas imagens do jogador português a pedir ao grupo que estava a entoar cânticos de apoio ao adversário desta segunda-feira da seleção nacional - 19.00, em Saransk - para se calarem pois queria ir dormir.

Frases como "sou iraniano, gosto muito de ti e peço-te desculpa por essas pessoas que foram incomodar-te a meio da noite" ou "desculpe por esse grupo de amigos que estão empolgados com a seleção iraniana". Há também quem peça desculpa pela festa dos adeptos, que estiveram junto ao hotel onde a seleção está alojada cantando e com o acompanhamento de vuvuzelas, garantindo que esse grupo não "percebia o que estava a fazer".

Os festejos foram de tal ordem que a Federação Portuguesa de Futebol teve de pedir a intervenção das autoridades que criaram um perímetro de segurança para afastar os adeptos iranianos da unidade hoteleira.

Os pedidos de desculpa chegaram mesmo ao Instagram de Georgina Rodriguez, a namorada de Ronaldo, com a garantia de que os adeptos iranianos gostam de Ronaldo e que "más pessoas há em todos os países".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.