Hugo Inácio, o homicida do very-light, detido na Luz para cumprir nova pena

Homem foi identificado na bancada do estádio do Benfica

O homem que, em 1996, matou um adepto do Sporting com um disparo de very-light no final da Taça de Portugal, foi este sábado detido no Estádio da Luz. Hugo Inácio preparava-se para assistir ao Benfica-Desportivo de Chaves quando foi identificado por um spotter, que avisou a polícia.

A notícia foi esta noite avançada pela TVI24. Hugo Inácio, de 45 anos, foi condenado, em 2016, a uma pena de três anos de prisão e à proibição de entrar em recintos desportivos durante sete anos, após ter sido apanhado com material pirotécnico na Luz. Antes disso, em 1998, fora condenado a quatro anos de prisão pela morte do adepto com o very-light.

Esta manhã, em comunicado, o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP confirmou a detenção e informou que a detenção ocorreu às 16:00, no âmbito do policiamento ao jogo entre o Benfica e o Chaves, decorrido no Estádio da Luz.

A PSP cumpria "um mandado de detenção emitido por Autoridade Judiciária, para cumprimento de pena de três anos, no âmbito de um processo-crime de detenção de arma proibida (artefactos pirotécnicos)".

De acordo com este comunicado, o adepto desobedeceu a uma pena determinada pelo tribunal, pelo que será julgado novamente.

Além desta detenção, o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, no âmbito da sua atividade operacional, deteve mais 29 pessoas, entre as 07:00 de sábado e as 07:00 de hoje, cinco das quais por condução sem carta e 12 por condução sob o efeito do álcool, três por tráfico de droga, duas por furto, quatro por desobediência, uma por roubo, uma por posse ilegal de arma e uma por outros motivos.

Na sequência destas ações, foram apreendidas cerca de 179 doses individuais de estupefacientes, sendo 157 de haxixe, oito de heroína e 14 de cocaína, bem como duas armas brancas, dois revólveres, cinco caçadeiras e 2.382 munições.

(Atualizada às 13:35 com comunicado da PSP)

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.