Há 16 anos um golo de Martelinho afastou o Sporting do título

Ex-capitão axadrezado recorda golo a Peter Schmeichel na época 2000-01 e antevê o duelo de amanhã, sem esquecer o leão Bruno Fernandes, que treinou na formação do Bessa

Martelinho tinha uma certa tendência para marcar golos ao Sporting. Um dos três que apontou aos leões acabou mesmo por definir o rumo do campeonato a favor do Boavista, que se sagrou campeão nacional pela primeira vez na sua história na época 2000-01.

Ao DN, e em vésperas de mais um Boavista-Sporting (amanhã, às 20.30, Sport TV1), o antigo capitão dos axadrezados recordou o golo mais importante da carreira, marcado ao gigante Peter Schmeichel, a 21 de abril de 2001, no Bessa, aos 89 minutos (1-0): "O Sánchez estava com a bola, a tentar arranjar uma linha de remate, e eu pedi-lhe a bola. Ele tentou rematar, a bola ressaltou e ficou a saltitar à minha frente à entrada da grande área. Eu enchi-me de esperança e chutei de primeira, com a parte de fora do pé. A bola fez um arco espetacular e entrou, sem hipóteses de defesa para o Schmeichel. Ele bem se esticou, mas não lhe chegou... já me tinha negado um golo antes."

Os festejos também ficaram na memória do ex-jogador das panteras. "Aquele sprint em direção ao banco de suplentes foi o grito de um grupo muito unido e humilde. Ainda hoje nos encontramos e temos um carinho muito grande uns pelos outros", recordou, ele que nesse ano já tinha garantido o triunfo frente ao FC Porto (1-0).

O antigo médio axadrezado não tem dúvidas de que esse golo deu praticamente o título à equipa então treinada por Jaime Pacheco. "O jogo com o Sporting foi a cinco jornadas do fim, estávamos em primeiro lugar e sentimos que se vencêssemos tínhamos o caminho aberto para o título, enquanto o Sporting sabia que se perdesse dizia adeus à hipótese de ser campeão", lembrou.

Foi assim que, em 2000-01, a raça do Boavista levou a melhor sobre uma excelente equipa do Sporting. "No início, nem as casas de apostas deviam ter o Boavista como candidato ao título nem nós pensávamos nisso. O plantel tinha um valor estipulado como prémio de campeão, mas nem discutimos o valor", indicou, embora lembrando que "essa ideia não era totalmente descabida pois no ano anterior o Boavista tinha sido segundo".

Elogios a Bruno Fernandes

Nessa altura os duelos no meio-campo eram a rasgar e Martelinho adorava jogar contra um leão em particular: "Eu gostava do Pedro Barbosa. Era um falso lento, com bola ele era muito rápido, difícil de desarmar e daqueles jogadores que dava gozo defrontar. Era um pequeno génio que o futebol poderia ter colocado mais lá em cima."

O duelo de amanhã será um jogo de tripla, emotivo de certeza. "O Sporting vem de um jogo desgastante com o Barcelona. O Boavista está num bom momento, moralizado. O Jorge Simão tem feito um bom trabalho e o Sporting vai ter de suar muito para vencer", avisou Martelinho, que chegou a treinar Bruno Fernandes, hoje um dos jogadores em destaque na equipa de Jesus: "Será um jogo especial para o Bruno, que vai defrontar o clube que o formou e de que ele gosta muito. Mas espero que o Boavista ganhe com um golo do Rochinha."

A boa época do médio leonino não surpreendeu o seu ex-treinador. "Sempre disse que ele é um jogador que gosta de ter bola, irreverente, não tem medo de assumir, chutar e errar, e por isso está a ter bom rendimento. Fez-lhe muito bem a experiência no campeonato italiano. É um jogador que pode resolver um jogo a qualquer momento", elogiou Martelinho.

E se o Bruno Fernandes marcar no Bessa? "Eu quero que marque, mas que perca. Dou-lhe os parabéns, mas tem de ter paciência...", atirou.

Ler mais

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.