Jorge Gomes, o bom malandro e primeiro estrangeiro do Benfica

Brilhou no Boavista, assinou pelas águias no dia em que devia ser leão e fez-se referência do Sp. Braga. Hoje, em Sequeira (Minho) trata da horta e espera pela reforma

Jorge Gomes foi o primeiro estrangeiro a jogar no Benfica. Uma "honra" que podia não ter tido lugar na história. Chegou a Lisboa em 1974, em plena revolução, e acabou por brilhar no Boavista, fazer história no clube da Luz e tornar-se mais tarde uma referência no Sp. Braga. "Quando ia embarcar para Portugal vi na televisão os tanques de guerra na rua, fiquei com medo e adiei a viagem. O representante do Boavista que me tinha ido buscar ao Brasil apareceu para me levar mas estava apavorado e pensei: "Não vou para a guerra e fugi para casa de um amigo, em Campos dos Goitacazes, mas fui encontrado pelo empresário e ainda bem, porque depois percebi que era uma revolução pacífica", contou ao DN o brasileiro, que vive atualmente em Sequeira (Braga).

Aos 62 anos, e enquanto espera pela reforma, Jorge dedica os tempos mortos do dia a tratar da horta. "Tenho um quintal e gosto de plantar coisas para comer. Estive agora a plantar os tomates...", revelou o antigo jogador do Benfica, agora adepto e jogador de fim de semana dos veteranos do Sequeirense Futebol Clube (Braga).

Depois de deixar de jogar (2002, no Terras de Bouro) tirou o curso de treinador e chegou a orientar as escolinhas do Maximinense: "Depois investi em escolas de futebol no Minho. Eu e mais dois colegas brasileiros. Chegámos a ter três, estava a correr bem, mas depois desisti daquilo, não estava a ter o rumo que eu queria. Agora estou à espera da reforma, sou pai e avô e agricultor nas horas vagas."

Jorge Gomes nasceu no Rio de Janeiro e jogou no Vasco da Gama, mas não mais quis voltar ao país onde nasceu. Veio para ficar seis meses e ficou mais de 40 anos. "Quando jogava, tinha dois meses de férias e não as terminava no Brasil, ficava um mês e depois voltava para Portugal. Fui ficando, e agora o meu fim vai ser em Portugal."

Em campo era "temperamental" e "talvez um pouco indisciplinado, fera mesmo", agora define-se como "tranquilo e caseiro". Por isso, gosta mais da tranquilidade e pacatez da "terrinha", como os brasileiros apelidam Portugal, do que do Rio que o viu nascer. Tinha fama de "pagodeiro" e admite que gostava de sair à noite, beber a sua cervejinha e dançar um bom samba: "Mas em campo dava tudo, ninguém me podia acusar de nada, como disse o Quinito uma vez, em Braga, se houvesse mais como eu seríamos campeões."

Hoje vive em Sequeira (Braga), é casado com uma brasileira filha de portugueses emigrantes no Brasil, tem seis filhos, um deles profissional de andebol no ABC. "O André [Gomes] é filho da minha atual mulher, estamos muito orgulhosos dele, e tem mais cinco irmãos de outras relações. Um está em Lisboa, outro em Barcelos, uma no Porto, um no Brasil...", conta o "bom malandro", agora com a sabedoria da vida : "Naquela altura nós não pensávamos, era novo e as coisas foram acontecendo."

Benfica com Sporting pelo meio

Chegou de jeans e T-shirt, em 1974. E a primeira coisa que fez quando chegou ao Porto foi comprar roupa: "Levaram-me à Rua de Santa Catarina para comprar roupa para o frio, camisola de gola alta... eu não gostava nada, depois habituei-me."

No "Boavistão" ganhou uma Taça de Portugal e brilhou ao ponto de se mudar para o Benfica. "O João Rocha (então presidente do Sporting) já tinha tudo acertado com Valentim Loureiro para eu ir para o Sporting e combinámos um encontro no aeroporto de Lisboa, para assinar contrato, antes de eu viajar para o Brasil. De repente, em vez do João Rocha, apareceu lá o Romão Martins, que era diretor do Benfica. Nunca percebi o que aconteceu. Não sei mesmo. A única pessoa que pode explicar é o Valentim Loureiro [risos]", atirou Jorge Gomes.

Mas assinou na mesma? "Assinei pois. Eu cheguei lá e não encontrei ninguém do Sporting e sim do Benfica, assinei e segui viagem", respondeu. Foi para o Brasil já com contrato assinado com o Benfica "e sem saber, na altura, que seria o primeiro estrangeiro" a pisar a relva da Luz: "Quis Deus que assim fosse."

Por essa altura, em julho de 1978, a assembleia geral do Benfica aprovou a contratação de jogadores estrangeiros, depois de um primeiro chumbo. Jorge Gomes foi contratado e representou as águias durante três épocas, entre 1979 e 1982 - marcou 12 golos em 59 jogos. A estreia foi num Benfica-Vit. Setúbal (5-1), quando entrou para o lugar de Chalana: "Eu não era mau jogador, mas ele era um senhor do futebol, um fora de série e as pernas tremeram um pouco, mas depois passou."

Tinha sido indicado por John Mortimore, mas entretanto o inglês saiu e entrou Mário Wilson. "Deu--me oportunidades, mas havia o Nené, Reinaldo, depois o César, o segundo brasileiro... Eu brilhei mais no Boavista e foi por isso que fui para o Benfica", contou Jorge, que à custa de trocar os leões pelas águias ouviu das boas nos dérbis: "Era sempre muito assobiado e chamavam-me traidor e tal.. ainda me lembro, não fui o primeiro nem serei o último."

Pouco utilizado na Luz, acabou por se mudar para o Sp. Braga, onde acabou por se tornar uma referência do futebol minhoto. Estas são apenas algumas das histórias que vai contando aos netos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.