Jorge Gomes, o bom malandro e primeiro estrangeiro do Benfica

Brilhou no Boavista, assinou pelas águias no dia em que devia ser leão e fez-se referência do Sp. Braga. Hoje, em Sequeira (Minho) trata da horta e espera pela reforma

Jorge Gomes foi o primeiro estrangeiro a jogar no Benfica. Uma "honra" que podia não ter tido lugar na história. Chegou a Lisboa em 1974, em plena revolução, e acabou por brilhar no Boavista, fazer história no clube da Luz e tornar-se mais tarde uma referência no Sp. Braga. "Quando ia embarcar para Portugal vi na televisão os tanques de guerra na rua, fiquei com medo e adiei a viagem. O representante do Boavista que me tinha ido buscar ao Brasil apareceu para me levar mas estava apavorado e pensei: "Não vou para a guerra e fugi para casa de um amigo, em Campos dos Goitacazes, mas fui encontrado pelo empresário e ainda bem, porque depois percebi que era uma revolução pacífica", contou ao DN o brasileiro, que vive atualmente em Sequeira (Braga).

Aos 62 anos, e enquanto espera pela reforma, Jorge dedica os tempos mortos do dia a tratar da horta. "Tenho um quintal e gosto de plantar coisas para comer. Estive agora a plantar os tomates...", revelou o antigo jogador do Benfica, agora adepto e jogador de fim de semana dos veteranos do Sequeirense Futebol Clube (Braga).

Depois de deixar de jogar (2002, no Terras de Bouro) tirou o curso de treinador e chegou a orientar as escolinhas do Maximinense: "Depois investi em escolas de futebol no Minho. Eu e mais dois colegas brasileiros. Chegámos a ter três, estava a correr bem, mas depois desisti daquilo, não estava a ter o rumo que eu queria. Agora estou à espera da reforma, sou pai e avô e agricultor nas horas vagas."

Jorge Gomes nasceu no Rio de Janeiro e jogou no Vasco da Gama, mas não mais quis voltar ao país onde nasceu. Veio para ficar seis meses e ficou mais de 40 anos. "Quando jogava, tinha dois meses de férias e não as terminava no Brasil, ficava um mês e depois voltava para Portugal. Fui ficando, e agora o meu fim vai ser em Portugal."

Em campo era "temperamental" e "talvez um pouco indisciplinado, fera mesmo", agora define-se como "tranquilo e caseiro". Por isso, gosta mais da tranquilidade e pacatez da "terrinha", como os brasileiros apelidam Portugal, do que do Rio que o viu nascer. Tinha fama de "pagodeiro" e admite que gostava de sair à noite, beber a sua cervejinha e dançar um bom samba: "Mas em campo dava tudo, ninguém me podia acusar de nada, como disse o Quinito uma vez, em Braga, se houvesse mais como eu seríamos campeões."

Hoje vive em Sequeira (Braga), é casado com uma brasileira filha de portugueses emigrantes no Brasil, tem seis filhos, um deles profissional de andebol no ABC. "O André [Gomes] é filho da minha atual mulher, estamos muito orgulhosos dele, e tem mais cinco irmãos de outras relações. Um está em Lisboa, outro em Barcelos, uma no Porto, um no Brasil...", conta o "bom malandro", agora com a sabedoria da vida : "Naquela altura nós não pensávamos, era novo e as coisas foram acontecendo."

Benfica com Sporting pelo meio

Chegou de jeans e T-shirt, em 1974. E a primeira coisa que fez quando chegou ao Porto foi comprar roupa: "Levaram-me à Rua de Santa Catarina para comprar roupa para o frio, camisola de gola alta... eu não gostava nada, depois habituei-me."

No "Boavistão" ganhou uma Taça de Portugal e brilhou ao ponto de se mudar para o Benfica. "O João Rocha (então presidente do Sporting) já tinha tudo acertado com Valentim Loureiro para eu ir para o Sporting e combinámos um encontro no aeroporto de Lisboa, para assinar contrato, antes de eu viajar para o Brasil. De repente, em vez do João Rocha, apareceu lá o Romão Martins, que era diretor do Benfica. Nunca percebi o que aconteceu. Não sei mesmo. A única pessoa que pode explicar é o Valentim Loureiro [risos]", atirou Jorge Gomes.

Mas assinou na mesma? "Assinei pois. Eu cheguei lá e não encontrei ninguém do Sporting e sim do Benfica, assinei e segui viagem", respondeu. Foi para o Brasil já com contrato assinado com o Benfica "e sem saber, na altura, que seria o primeiro estrangeiro" a pisar a relva da Luz: "Quis Deus que assim fosse."

Por essa altura, em julho de 1978, a assembleia geral do Benfica aprovou a contratação de jogadores estrangeiros, depois de um primeiro chumbo. Jorge Gomes foi contratado e representou as águias durante três épocas, entre 1979 e 1982 - marcou 12 golos em 59 jogos. A estreia foi num Benfica-Vit. Setúbal (5-1), quando entrou para o lugar de Chalana: "Eu não era mau jogador, mas ele era um senhor do futebol, um fora de série e as pernas tremeram um pouco, mas depois passou."

Tinha sido indicado por John Mortimore, mas entretanto o inglês saiu e entrou Mário Wilson. "Deu--me oportunidades, mas havia o Nené, Reinaldo, depois o César, o segundo brasileiro... Eu brilhei mais no Boavista e foi por isso que fui para o Benfica", contou Jorge, que à custa de trocar os leões pelas águias ouviu das boas nos dérbis: "Era sempre muito assobiado e chamavam-me traidor e tal.. ainda me lembro, não fui o primeiro nem serei o último."

Pouco utilizado na Luz, acabou por se mudar para o Sp. Braga, onde acabou por se tornar uma referência do futebol minhoto. Estas são apenas algumas das histórias que vai contando aos netos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.