César responde a Rui Alves: "É uma cobardia apontar um culpado"

Defesa emprestado pelo Benfica foi arrasado por Rui Alves, presidente do Nacional, mas não demorou muito tempo a responder ao líder do clube insular

Rui Alves, presidente do Nacional, não foi meigo ao apelidar de César, defesa emprestado pelo Benfica, como o "pior central" que tinha visto na I Liga.

O brasileiro, à sua assessoria de imprensa, respondeu às declarações do dirigente: "O senhor Rui Alves foi bastante infeliz nas palavras direcionadas a mim. Entendo que ele esteja chateado pelo triste resultado final. Porém, quero deixar claro que nunca faltou empenho da minha parte para defender a camisola do Nacional. Esta época, por exemplo, cheguei a jogar de ponta de lança e fiz um golo. Sempre fui muito dedicado em todos os clubes por onde passei. Não tenho nada contra os diretores do Nacional, muito menos contra o Rui Alves. Fui ao clube para despedir-me dos funcionários, encontrei-me com eles e ninguém falou nada, não houve nenhum problema", referiu o futebolista dando nota de que ninguém o confrontou cara a cara com a opinião revelada ao Diário de Notícias da Madeira.

Em seguida, César defendeu o plantel do Nacional: "É um desfecho lamentável para um grupo que não parou de empenhar-se em nenhum momento para evitar o rebaixamento do Nacional. Acho que é uma cobardia apontar um culpado no que aconteceu. É uma cobardia com o clube, com os adeptos, com o profissional, com o pai, com o ser humano."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.