Kuca relança Arouca e trava Vitória de Setúbal

Dois golos do cabo-verdiano permitiram ao Arouca bater o Vitória de Setúbal, por 2-1

Kuka recolocou hoje o Arouca na rota vitoriosa, após dois jogos sem vencer, ao marcar os golos do triunfo caseiro sobre o Vitória de Setúbal, por 2-1, em jogo da 20.ª jornada.

Edinho, de grande penalidade, ainda reduziu, antes do intervalo, mas os sadinos não conseguiram dar seguimento ao surpreendente êxito da ronda anterior, em que bateram o Benfica, tricampeão nacional.

Depois da derrota caseira com o Boavista e do empate com o Nacional, a equipa de Lito Vidigal voltou a vencer. O jogo começou com o Arouca a pressionar e logo aos 10 minutos, Tomané teve um golo invalidado por fora de jogo.

O golo chegou aos 18 minutos, num remate de 'trivela', depois de Kuca levar a melhor sobre Arnold na disputa da bola, junto ao meio-campo. A equipa da casa aumenta a vantagem aos 36, de novo por através do avançado cabo-verdiano, de cabeça, a dar o melhor seguimento ao cruzamento de Mateus.

O Vitória assustou com um cabeceamento de Mikel ao lado da baliza, aos 13 minutos, e Vasco Fernandes rematou, aos 24, para defesa de Bolat, que se estreou com a camisola do Arouca, fazendo também o seu jogo de estreia na I Liga.

Os visitantes acabariam por chegar ao golo em cima do intervalo, de grande penalidade, convertida por Edinho.

Na segunda parte, o Vitória de Setúbal atacou mais e procurou igualar a partida, mas o Arouca posicionou-se bem defensivamente, impedindo situações de perigo.

José Couceiro mexeu na equipa e até promoveu a estreia de João Carvalho, jogador cedido pelo Benfica em janeiro, mas sem efeito. Nuno Santos, nos instantes finais, no centro da área, ainda rematou forte, mas Bolat segurou o esférico.

Depois da vitória sobre o Benfica, o Vitória de Setúbal perde com o Arouca, que soma 27 pontos e está mais perto da meta dos 30 pontos que teoricamente garantem a permanência na Liga, enquanto os sadinos seguem em sétimo, com 28.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)

Premium

Viriato Soromenho Marques

O monoteísmo do "deus dólar" continua

Em 1866, o jovem Eça de Queirós aproveitou a passagem por Lisboa do moderníssimo couraçado norte-americano USS Miantanomah para escrever na imprensa algumas notas penetrantes sobre a identidade dos EUA. No essencial ele identificava uma tensão matricial em Washington, definida pela oposição entre o "deus dólar", que explicava a violência expansiva, mesmo desumana, do seu capitalismo, e o impulso para a "justiça", traduzido na abolição da escravatura ao preço do enorme sacrifício da Guerra Civil, terminada no ano anterior. Gostaria muito de poder subscrever a tese de que nas recentes eleições intercalares a justiça prevaleceu sobre a idolatria do capital. Infelizmente, o sinal positivo dado pelos eleitores é ainda insuficiente para atenuar a gravíssima patologia da democracia nos EUA.