Carlos Pinto deixa Santa Clara após subida de divisão

O treinador vai deixar o clube de Ponta Delgada, depois de o ter promovido à I Liga, anunciou esta segunda-feira a SAD do emblema açoriano.

"A Santa Clara Açores Futebol SAD e o mister Carlos Pinto entenderam não renovar o vínculo contratual que ligava as duas partes", lê-se na página oficial do clube na rede social Facebook.

No mesmo comunicado, o clube aproveita para "agradecer" a Carlos Pinto e à restante equipa técnica pela "competência, profissionalismo e dedicação" ao longo do tempo que o treinador esteve ao serviço do clube açoriano, que assegurou a subida ao principal escalão graças ao segundo lugar na II Liga.

Carlos Pinto, de 45 anos, comandava o Santa Clara desde dezembro de 2016, quando substituiu Rui Amorim, naquela que foi a segunda passagem pelo clube depois de ter saído para orientar o Paços de Ferreira, da I Liga.

Antes da primeira experiência nos Açores, em 2015/16, o técnico passou por clubes como Tirsense, Tondela, Desportivo de Chaves e Freamunde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.