Bruno Ribeiro é o novo treinador do Cova da Piedade

Treinador foi esta terça-feira apresentado, em conferência de imprensa, como o novo treinador do Cova da Piedade, equipa que ocupa o 17.º lugar da II Liga

O novo técnico, de 42 anos, sucede a João Barbosa, que rescindiu com os responsáveis da SAD do clube de Almada, na sequência dos maus resultados verificados nas últimas jornadas e que colocaram o Cova da Piedade na rota da descida de divisão.

"Neste momento, o mais importante é trabalhar para tirar a equipa da zona da descida de divisão. Estou com muita vontade e motivação para encetar este novo desafio. Gosto de deixar os clubes por onde passo na melhor situação possível", sublinhou Bruno Ribeiro.

O novo técnico afiançou que não vão existir cortes radicais com o passado e não exigiu novos reforços para a equipa piedense. "Ainda falta mês e meio para o mercado de inverno. É preciso calma e tranquilidade", referiu.

Natural de Setúbal, Bruno Ribeiro já tem uma experiência razoável como treinador principal. Começou a sua carreira no Vitória sadino e passou, sucessivamente, pelo Farense, Moura, Pinhalnovense, Ludogorets (Bulgária), Académico Viseu, Port Vale (Inglaterra) e Salgueiros.

"Um treinador está sempre sobre pressão, mas não gosto de perder. Vou tentar ajudar o Cova da Piedade a dar a volta a esta situação o mais rapidamente possível", adiantou o novo timoneiro.

A duração do contrato não foi revelada pelos responsáveis da SAD do Cova da Piedade. Acompanham Bruno Ribeiro os adjuntos Marco Tábuas, Marcelo Chagas e Ricardo Guerra.

Bruno Ribeiro já estará no banco a orientar o embate que o Cova da Piedade vai disputar aos Açores, frente ao Sporting Ideal, no dia 19, às 17.00, a contar para quarta eliminatória da Taça de Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.