André Santos e Nuno Reis deixam o Metz

Os dois ex-jogadores do Sporting estão livres, após terem ajudado o Metz a subir à Ligue 1

O Metz anunciou esta sexta-feira que chegou a acordo com os portugueses Nuno Reis e André Santos para a rescisão de contrato que os ligava ao clube, que ascendeu na época passada ao escalão máximo do futebol francês.

O defesa central Nuno Reis, que fez a sua formação no Sporting, alinhou na época passada em 29 jogos ao serviço da equipa francesa, 27 dos quais na Ligue 2, e ajudou o clube a conseguir a subida de divisão.

"Tendo chegado na última época livre proveniente do Sporting, Nuno Reis não vai cumprir o seu último ano de contrato com o Metz. O clube e o jogador de 25 anos conseguiram chegar a acordo", diz o Metz em comunicado publicado no seu sítio oficial na Internet.

O clube francês anunciou que o médio André Santos, que na época passada alinhou em 30 jogos pelo Metz, tendo apontado um golo, também vai deixar o clube.

"O médio defensivo e o clube chegaram a acordo para pôr termo ao seu contrato. O médio português não vai continuar a sua aventura no clube", anuncia.

O Metz desejou depois boa sorte para o futuro dos dois jogadores portugueses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.