Amnistia acusa FIFA de "indiferença" face à exploração de trabalhadores no Qatar

Trabalhadores de países como Bangladesh, Índia e Nepal estão a ser alvo de exploração na construção dos estádios para o Mundial 2022

A Amnistia Internacional considera que a FIFA está a tratar com "escandalosa indiferença" a exploração laboral dos imigrantes que trabalham nos preparativos do Mundial 2022, nomeadamente na construção de estádios.

Num relatório intitulado "O lado obscuro do desporto rei: Exploração laboral na sede do Mundial do Qatar 2022", a Amnistia critica a FIFA pela "indiferença face ao péssimo tratamento dos trabalhadores imigrantes naquele país."

"A FIFA tem responsabilidade e pode fazer muito. A concessão do Campeonato do Mundo de Futebol é o seu negócio principal. Concedeu a organização do Campeonato a um país onde os trabalhadores imigrantes são sistematicamente abusados nos seus direitos. Os trabalhadores sob contratos do Mundial estão em risco, como tal, tem de agir," condenou a Diretora de Investigação e Assuntos Globais da Amnistia Internacional, Audrey Gaughran.

Trabalhadores de países como Bangladesh, Índia e Nepal, que estiveram reunidos com o organismo, denunciaram estar a atravessar "condições sub-humanas" no Qatar - não podem deixar o país sem autorização, não podem mudar de emprego, os passaportes são confiscados e os pagamentos estão aquém do acordado.

Há, atualmente, cerca de cinco mil operários a trabalhar na construção dos Estádios para o Mundial 2022, mas estima-se que dentro de dois anos o número de trabalhadores aumente para 36 mil.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.