Mbappé entra na história e leva França aos oitavos

Grupo D. Seleção gaulesa oscilou entre a acutilância e o sofrimento. Peru à... Marrocos

A França juntou-se à Rússia e ao Uruguai no lote de seleções já apuradas para os oitavos de final, assegurando a passagem à fase seguinte depois de uma vitória tangencial sobre o Peru (1-0), que espelha uma exibição intermitente, com momentos de grande acutilância ofensiva e outros de algum sofrimento.

Em partida marcada pela 100.ª internacionalização do guarda-redes e capitão Hugo Lloris, o selecionador Didier Deschamps deu mais liberdade aos craques Griezmann e Pogba ao colocar Matuidi e Giroud no onze, por troca com Tolisso e Dembelé.

Ainda assim, foi outra das estrelas de les bleus, Kylian Mbappé, a revelar-se decisivo, ao aproveitar as sobras de um remate de Giroud desviado por Alberto Rodríguez, para fazer o 1-0 à boca da baliza (34 minutos). O avançado do PSG entrou na história ao tornar-se o mais jovem futebolista francês a marcar num Mundial, com 19 anos e 183 dias , superando Trezeguet, que em 1998, com 20 anos e 246 dias, faturou à Arábia Saudita.

Por outro lado, o Peru ficou sem hipóteses matemáticas de seguir para a próxima fase, mas mostrou porque razão conseguiu uma vaga no Campeonato do Mundo. Um pouco à imagem do que Marrocos fez a Portugal, los incas de Advíncula (ex-V. Setúbal), Rodríguez (ex-Sp. Braga, Sporting e Rio Ave) e do benfiquista Carrillo não se deixaram intimidar nem condicionar pelo favoritismo dos vice-campeões europeus. Olharam o adversário nos olhos, praticaram um futebol rendilhado e superiorizaram-se em alguns momentos. Aos 51", o poste negou o empate a Aquino.

Resultados do dia:

Dinamarca - Austrália (1-1, resultado final)

França - Peru (1-0, resultado final)

Argentina - Croácia (19.00)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.