A cocaína tramou Clonbrien Hero, um campeão viciado

Galgo que ganhou uma das mais prestigiadas corridas de cães tinha vestígios de cocaína na urina, reacendendo a polémica sobre os tratos a que são submetidos estes animais

Clonbrien Hero não era o principal favorito, mas deslumbrou os espectadores que acorreram ao Curraheen Park, em Cork, cidade do Sul da Irlanda, no dia 22 de julho, para assistir à grande final das Laurels, uma das mais prestigiadas corridas de galgos irlandesas. O galgo treinado pelo multipremiado treinador Graham Holland bateu o favorito Kilgraney Denver e estabeleceu um novo recorde (28 segundos exatos) de uma corrida que teve a sua primeira edição em 1944. O triunfo valeu um cheque de 30 mil euros. O choque, esse, chegou agora aos media irlandeses: Clonbrien Hero era, afinal, um campeão viciado, tendo acusado vestígios de cocaína no controlo antidoping.

A revelação veio adensar as nuvens negras sobre uma atividade que se debate regularmente com várias acusações de maus-tratos aos animais e voltar a pôr sob suspeita um treinador premiado que já se viu acusado de práticas semelhantes em 2015, quando em vários dos seus cães foram descobertos vestígios de produtos químicos. Na altura, a defesa de Graham Holland invocou tratar-se de um caso de carne contaminada e o treinador foi absolvido de qualquer responsabilidade.

Desde então, o comité irlandês que gere as competições de corridas de galgos (o IGB) apertou a política de combate ao doping e autorizou até a realização de testes fora de competição. Mas as suspeitas de utilização de várias drogas para aumentar o desempenho dos animais - desde Viagra a cocaína, entre outras - não param de ganhar força em várias latitudes deste universo das corridas de galgos.

Segundo a informação prestada pelo IGB, Clonbrien Hero acusou vestígios de benzoilecgonina, um metabólito primário da cocaína - com efeitos semelhantes em animais e humanos -, em três testes diferentes, entre os dias 24 de junho e 22 de julho. Agora, caberá ao Comité de Controlo abrir um processo de inquérito e determinar a eventual sanção a aplicar ao galgo e a Graham Holland, um veterano treinador já com mais de 30 anos de carreira e 2500 vitórias em corridas, não apenas no Reino Unido mas também na Austrália e na Holanda.

Em declarações ao jornal britânico The Times, Holland defendeu-se, alegando que Clonbrien Hero poderá ter ingerido cocaína de forma acidental. "Estamos a ser vítimas de algo pelo qual não somos culpados", referiu. "Se sabes que há testes antidoping a seguir à corrida é óbvio que não vais dar cocaína ao teu galgo. Eu treino há mais de 30 anos e agora sou acusado de os drogar", lamentou-se. "Pode-se transmitir vestígios de cocaína simplesmente pelo contacto de mão. E quando um cão ganha uma corrida há muita gente a fazer-lhe festas no final", acrescentou. Para já, o prémio de 30 mil euros está retido e Clonbrien Hero suspenso de todas as corridas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)