Gastão Elias vence Monfils, o número sete do ranking

Português bateu o francês em dois sets e está nos quartos-de-final do torneio de Estocolmo

O tenista português Gastão Elias qualificou-se esta quinta para os quartos de final do torneio de Estocolmo, ao derrotar o francês Gael Monfils, número sete do 'ranking' mundial, em dois 'sets'.

O número dois nacional e 61.º jogador mundial conseguiu a melhor vitória da carreira, a primeira sobre um 'top 10', ao impor-se ao primeiro cabeça de série do torneio sueco, por 7-6 (7-4) e 6-1, em uma hora e 20 minutos.

Elias produziu um dos melhores encontros da carreira em piso rápido, demonstrando uma autoconfiança traduzia num jogo variado e com pormenores de classe, que surpreenderam Monfils.

"Tenho de esperar umas horas para explicar o que sinto...", brincou Elias, ao ser entrevistado no 'court' no final do encontro da segunda ronda, antes de analisar o seu feito: "Estou muito contente. Entrei motivado, mas sabia que ele é 'top 10', por isso até poderia jogar o meu melhor e perder na mesma. No entanto, joguei bem e sólido durante todo o encontro."

Seguro, o 'Mágico' soube manter a concentração no único momento complicado que enfrentou no primeiro 'set', anulando três 'break-points' quando serviu para igualar o marcador a dois.

Com o equilíbrio a ser a nota dominante, o primeiro parcial foi decidido no 'tie-break', com o português, que nunca acusou a pressão de estar a servir para igualar o 'set', a superiorizar-se ao sétimo tenista mundial por 7-4.

Depois de perder o primeiro 'set', Monfils pareceu 'entregar' o encontro, ao sofrer dois 'breaks', mas ainda salvou cinco 'match points' antes de permitir o triunfo de Elias, consumado em uma hora e 20 minutos

O jovem da Lourinhã, de 25 anos, somou a terceira melhor vitória portuguesa de sempre em singulares masculinos - João Sousa venceu o espanhol David Ferrer, na altura quarto do 'ranking' mundial, e Kei Nishikori, quinto, e Nuno Marques derrotou Alberto Berasategui no Estoril Open de 1995, quando o espanhol era sétimo - e, na segunda-feira, na atualização da hierarquia, deverá superar Rui Machado (59.º) como segundo melhor jogador nacional da história.

"Espero melhorar ainda mais, porque não quero ser número 61 do mundo para sempre. Ainda tenho muito que trabalhar, mas é óbvio que hoje joguei muito bem", considerou na entrevista pós-encontro.

Questionado sobre o seu idílio com a Suécia, onde, em julho, atingiu pela primeira vez as meias-finais de um torneio ATP, o número dois luso disse já ter ponderado pedir um passaporte sueco.

"Joguei muito bem em Bastad, cheguei às minhas primeiras meias-finais e ainda estou aqui, a jogar. Espero chegar, pelo menos, de novo às 'meias'", assumiu.

Nos quartos de final, Elias vai defrontar o norte-americano Jack Sock, que bateu o alemão Dustin Brown também esta quinta-feira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG