Futre revela que Figo não queria ir para o Real Madrid

Ex-jogador português que ajudou a intermediar a transferência de Figo do Barcelona para o Real Madrid conta pormenores da negociação

Paulo Futre, que ajudou a intermediar a transferência de Luís Figo do Barcelona para o Real Madrid, em 2000, abriu o livro sobre alguns pormenores daquela que ainda hoje é considerada uma das maiores traições da história do futebol.

"Na altura em que o Figo se apercebeu no que se tinha metido, pelas ameaças de morte às suas filhas e a tudo que se estava a preparar, começou a recuar. E disse ao seu empresário que não ia para o Real Madrid", contou Futre no programa espanhol El Chiringuito.

O antigo jogador contou ainda mais um pormenor: a existência de uma cláusula no contrato assinado com Florentino Pérez que o obrigava a pagar uma quantia choruda se voltasse atrás."Numa cláusula do contrato estava escrito que Figo teria de pagar 35 milhões de euros ao Real Madrid. Dizia que tinha de pagar todas as quotas dos sócios se não assinasse. Nem o empresário dele nem eu acreditávamos que Florentino Pérez ia ganhar as eleições. Quando ganhou, o empresário estava a chorar e eu preocupado. O Figo tinha que assinar ou pagava 35 milhões de euros. Não tinha saída, estava atado à cláusula", recordou.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.