Froome joga à defesa com advogado de atletas famosos

Britânico, acusado de usar substância ilícita, contrata Mike Morgan, que defendeu Contador e Sharapova, em outros casos de doping. "É uma situação horrível", lamenta Froome

Chris Froome sempre se rodeou dos melhores. Ao ataque, nas principais provas velocipédicas internacionais, o ciclista da Sky foi tendo a seu lado gregários de luxo como Geraint Thomas, Sergio Henao, Richie Porte, Nicolas Roche ou Mikel Landa. Agora, obrigado a jogar à defesa, socorre-se de Mike Morgan, o advogado que defendeu outros atletas famosos apanhados nas malhas do doping (como Alberto Contador e Maria Sharapova).

É a mais recente cartada, após ter sido revelado, há uma semana, que Chris Froome acusou o consumo de uma substância dopante (salbutamol, um broncodilatador), durante a Volta a Espanha deste ano. O ciclista britânico da Sky - que alega ter tomado o medicamento para tratar uma crise de asma - decidiu contratar o escritório Morgan Sports Law, liderado por Mike Morgan, para tratar da sua defesa no caso, em que arrisca ser punido com uma suspensão de dois anos e a perda do título da Vuelta (onde se estreara a vencer, tornando-se o primeiro ciclista desde o francês Bernard Hinault, em 1978, a ganhar as voltas de França e Espanha no mesmo ano).

Morgan, eleito advogado (de direito) desportivo do ano, nos prémios britânicos Who"s who 2017, é famoso pela carteira de clientes e pelos casos mediáticos em que interveio. Além de ter defendido de acusações de doping figuras como os tenistas Maria Sharapova e Marin Cilic, o futebolista Mamadou Sakho e a atleta Veronica Campbell-Brown, também trabalhou com os ciclistas Alberto Contador e Sergio Henao em processos do género.

O espanhol Contador, que acusou o uso de clembuterol durante a Volta a França de 2012, não se livrou do castigo de dois anos de suspensão e da perda do título conquistado no Tour. Já o colombiano Henao - colega de equipa de Froome - acabou ilibado, após terem sido detetados valores considerados anormais no seu passaporte biológico.
Agora, Chris Froome, de 32 anos, agarra-se à ação do famoso advogado para tentar conservar a vitória na Vuelta e a credibilidade de um palmarés que incluiu quatro triunfos no Tour (2013, 2015, 2016 e 2017). "Sou ciclista profissional há 10 anos e entendo perfeitamente como estes casos fazem algumas pessoas olharem para o nosso desporto. Levo a minha responsabilidade muito a sério e estou a fazer o máximo possível para tentar chegar ao fundo da questão", afirmou o ciclista, domingo à noite, à margem da gala Personalidade Desportiva do Ano, da BBC.

No centro da polémica está o salbutamol, uma substância cuja utilização é aceite pela Agência Mundial Antidopagem apenas em determinadas circunstâncias e em doses limitadas. Chris Froome duplicou o limite máximo de mil nanogramas por mililitro de urina (a análise ao ciclista da Sky revelou uma concentração de 2000 ng/ml) mas declara inocência. "Sou asmático desde criança e uso um inalador para ajudar a controlar os sintomas, mas nunca utilizei mais do que a quantidade permitida. Esta é uma situação horrível", lamentou o britânico.

Certo é que agora não há colegas como Thomas, Henao, Porte, Roche ou Landa que possam ajudar Froome como faziam nos momentos de aperto, nas grandes voltas internacionais. Ainda ontem, o Movimento por um ciclismo credível (MPCC) - que reúne 43 equipas do pelotão profissional das divisões WorldTour e do Continental - exortou a Sky a suspender voluntariamente o atleta britânico, até ao final do processo de inquérito ao seu controlo antidoping positivo. E, destes ataques à credibilidade de Chris Froome, talvez só mesmo o advogado Mike Morgan o possa defender.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.