Froome acusou salbutamol, o medicamento dos asmáticos

O ciclista britânico Chris Froome (Sky) incorre numa suspensão por ter valores acima dos autorizados na urina de salbutamol, uma substância utilizada para o tratamento da asma e utilizada por desportistas, entre os quais ciclistas.

O Ventilan, nome corrente do salbutamol, é um dos medicamentos mais utilizados no tratamento da asma, sendo um estimulante do aparelho respiratório, tem efeitos anabolizantes em doses elevadas, permitindo o aumento da massa muscular e a diminuição da gordura corporal.

A Sky refere que as regras da Agência Mundial Antidopagem (AMA) permitem o recurso ao salbutamol sem isenções de uso terapêutico (TUE) quando inalado até 1.600 microgramas num período de 24 horas e não mais do que 800 em 12 horas.

A análise à urina de Froome realizada em 07 de setembro, após a 18.ª etapa da Volta a Espanha, revelou uma concentração de 2.000 nanogramas por militro, o dobro do autorizado pela AMA, acrescentou a equipa britânica.

"A minha asma piorou na Vuelta, pelo que segui os conselhos do médico da equipa para aumentar as minhas doses de salbutamol. Como sempre, tomei as maiores precauções para garantir que não excedia as doses permitidas", afirmou Froome, que venceu a Vuelta, em setembro, depois de, em julho, ter reeditado os triunfos no Tour de 2013, 2015 e 2016.

Pouco depois da Vuelta, também em 20 de setembro, Froome conquistou a medalha de bronze na prova de contrarrelógio individual dos Mundiais de estrada, em Bergen, na Noruega, deixando o português Nelson Oliveira (Movistar), na quarta posição.

Com este controlo adverso, confirmado pela contra-análise, Froome terá de provar "num estudo farmacocinético controlo que este resultado anormal é efetivamente consequência do uso de uma dose terapêutica [por inalação]", esclarecem as regras antidopagem.

"O Ventilan melhora a respiração mesmo aos não asmáticos. Uma simples inalação dos vasodilatadores aumenta o consumo de oxigénio em 0,3 litros", disse em junho o médico Jean-Pierre de Mondenard, sobre as ambiguidades da asma ligada ao desporto.

O médico francês, citado pela agência AFP, justificou o aumento de desportistas a contas com esta doença, como consequência da própria atividade física: "Estudos mostram que o desporto promove a asma e que há mais asmáticos nos desportos de alta competição do que na população em geral, porque as enormes necessidades de oxigénio são causadoras de asma".

A União Ciclista Internacional confirmou hoje o controlo antidoping adverso a Froome, no caso o broncodilatador salbutamol, numa análise à urina feita em 07 de setembro, durante a última edição da Vuelta. O organismo diz ter notificado o corredor em 20 de setembro, acrescentando que a contra-análise confirmou a presença da substância acima do admitido para uso terapêutico.

O espanhol Miguel Indurain passou por uma situação semelhante à de Froome em 1994, mas antes de conquistar o seu quarto Tour -- tal como o britânico viria a fazer --, teve um controlo antidoping "anormal" no Tour de Picardie, em França, acusando, também, salbutamol.

Indurain compareceu perante a comissão de disciplina da federação francesa de ciclismo, que ficou com o processo e o inocentou.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.