"Ficou um amargo de boca. Podíamos ter chegado mais longe"

Carolina Mendes destacou-se com dois golos na seleção que deixou uma boa imagem no Campeonato da Europa

Carolina Mendes foi um dos grandes destaques da seleção nacional que surpreendeu no Campeonato da Europa feminino, no qual Portugal esteve muito perto de garantir a qualificação para os quartos-de-final no ano de estreia na prova. A jogadora dos islandeses do Grindavík FC apontou o histórico primeiro golo luso na fase final de uma grande competição, na vitória diante da Escócia (2-1), e voltou a marcar na derrota diante da Inglaterra (2-1), num jogo em que a equipa das quinas esteve muito perto do empate que teria dado a qualificação para os quartos-de-final. A avançada de 29 anos faturou nos dois encontros em que foi titular, depois de ter ficado no banco dos suplentes no desafio de estreia, com a Espanha.

Ao DN, minutos depois de a comitiva ter aterrado em Lisboa, no regresso de Amesterdão, começou por confessar que não foi uma surpresa assim tão grande marcar por duas vezes na competição. "Se estava à espera? Talvez não, mas a verdade é que nós como avançadas estamos sempre sujeitas a marcar golos. É para isso que trabalho e felizmente marquei e consegui ajudar a nossa seleção, que é sempre o mais importante", sublinhou.

Embora reconhecendo que o seu nome irá ficar para sempre marcado na história do futebol feminino português, como marcadora do primeiro golo de Portugal numa grande competição, lembrou que "todas as jogadoras que fizeram parte deste grupo entraram igualmente para a história" e que a ela "coube apenas empurrar a bola para a baliza, finalizando o trabalho de todo o grupo".

Muitos pensavam que Portugal iria ser um "saco de batata" no Campeonato da Europa, olhando para o 38.º lugar no ranking, que colocava a equipa como a pior entre as 16 finalistas. A estreia não foi famosa, com uma derrota diante da Espanha (2-0) e uma exibição descolorida. No entanto, seguiu-se um triunfo com a Escócia e uma exibição muito meritória com a poderosa Inglaterra, apesar da derrota pela margem mínima (1-2).

E a verdade é que a seleção esteve a um pequeníssimo passo de conseguir a qualificação para os quartos-de-final. "Sem dúvida que ficou um amargo de boca e a nossa participação acabou por saber a pouco. Isto obviamente embora tenhamos ficado contentes pela forma como nos batemos, mas sentimos que poderíamos ter chegado mais longe", salientou.

Carolina Mendes destacou principalmente a exibição da equipa no desafio com a poderosa Inglaterra. "Mostrámos que temos equipa para jogar de igual para igual com os mais fortes. Temos qualidade e não foi por acaso que conseguimos a qualificação para o Campeonato da Europa", fez questão de reforçar.

A paixão pelas viagens

A avançada de 29 anos é uma autêntica globetrotter no futebol, tendo representado clubes em seis países. Nascida no Alentejo, começou aos 16 anos no Ponte de Sor, mas na altura apenas por brincadeira. Aliás, raramente conseguia participar nos treinos, que se realizavam muito longe de Estremoz, onde residia.

Aos 18 anos veio para Lisboa estudar Fisioterapia, ao mesmo tempo que representou o Ponte Frielas e o 1.º de Dezembro, embora ainda com o estatuto de amadora. Na altura em que fez Erasmus em Espanha representou o Lestartit e posteriormente, em Itália, já como semiprofissional, alinhou nos italianos do ASD Riviera di Romagna, mudando-se depois para os russos do WFC Rossiyanka, onde se tornou profissional. O país que se seguiu foi a Suécia, ao serviço do Djurgården, antes de assinar pelos islandeses do FC Grindavík, em janeiro deste ano.

Carolina explicou-nos a razão para tantas mudanças: "Gosto imenso de viajar e conhecer novos países e ter experiências diferentes. Tem sido o desporto que me tem proporcionado isso, ou seja, consigo aliar duas grandes paixões, as viagens e o futebol." A internacional portuguesa tem mesmo um blogue chamado As Viagens de Carol, em que fala dos países que já conheceu e fornece dicas aos viajantes. O seu blogue atingiu a final do concurso internacional de melhor blogue de viagens do ano, promovido pela Momondo.

A 27 de novembro, a jogadora do Grindavík FC completa 30 anos. Não estará na hora de um regresso a Portugal e ao nosso futebol? "Bom, para já tenho contrato com o meu clube na Islândia até ao final de setembro e é apenas nisso que estou a pensar. Mas claro que é possível jogar no meu país, não fecho as portas a nada", confessou. E a avaliar pela sua magnífica prestação no Campeonato da Europa, certamente que os principais clubes portugueses não desdenhariam contar com Carolina nos seus plantéis...

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG