Santos: Responsabilidades, desculpas e a pergunta sem resposta

Seleção nacional derrotada pela Sérvia (2-1) terá de jogar um playoff de apuramento em março. Fernando Santos assumiu responsabilidade, Bernardo pediu desculpa aos portugueses.

Primeiro assumiu responsabilidades pela derrota com a Sérvia esta noite no Estádio da Luz (2-1), depois Fernando Santos pediu desculpa pelo não apuramento direto para o Mundial 2022, disse entender que os portugueses peçam a cabeça dele e por fim ficou sem resposta a uma pergunta... que todo o mundo faz. Porque é que Portugal com tanto talento joga tão pouco futebol? Eis a questão que deixou Fernando Santos sem resposta. "O que é que eu vou responder a isso?", questionou resignado, depois de alguns momentos de um silêncio constrangedor.

O selecionador nacional disse confiar na presença no Qatar: "Temos de pedir desculpa. O povo está triste, os jogadores estão tristes. A minha equipa vai estar no Qatar, isso é garantido. Comigo nunca fomos a playoff, não é habitual. Portugal já teve três playoffs e ganhou-os. Eu próprio disputei um para o Campeonato do Mundo e venci-o."

No final do jogo, foram muitos os adeptos que mostraram lenços brancos. O que diz a quem não o quer como selecionador? "É normal. É uma questão que se coloca muitas vezes para um treinador. É normal que os portugueses manifestem essa vontade, mas é um assunto que eu... acredito que tenho toda a capacidade para levar Portugal ao Qatar", respondeu o engenheiro, que em 2016 liderou Portugal na conquista do europeu.

No final do jogo, Fernando Santos dirigiu-se a Cristiano Ronaldo, que disse qualquer coisa ao selecionador de braços abertos e fazendo um gesto com a mão. Era frustração ou algo mais? "Ele estava a dizer que, na Sérvia, tinha marcado um golo no último minuto e não foi validado. Era o que ele estava a dizer. É o desabafo dele, é normal, estava frustrado", explicou o técnico nacional.

"Nem sempre sai como quero nem como os jogadores querem"

"O Nosso ADN é para jogar no pé, mas tivemos dificuldades. É verdade que a equipa se despersonaliza. O Bernardo quis bola, mas foi o único. Jogámos sempre com receio e alguma ansiedade. Para o lado, para o guarda-redes... A responsabilidade é minha. Todos sabemos que não fizemos tudo o que devíamos. Mas vamos estar no Qatar. Os jogadores sabem que sempre jogamos para ganhar, a pensar momento ofensivo e não tanto no defensivo. Nem sempre sai como quero nem como os jogadores querem. A responsabilidade é minha",

"Entrámos bem, pressionámos, fizemos golo. Depois começámos a não ter bola, a baixar linhas e a chegar atrasados. O adversário a jogar a quatro, dificilmente acertámos as marcações. Depois meti quatro médios interiores, para os laterais não estarem tão fechados e abrirem mais. Tivemos sempre muitas dificuldades. Tentei, os jogadores tentaram, lutaram. Sempre que ligámos o jogo criávamos situações e dificuldades. Mas a maior parte das vezes não conseguimos. A responsabilidade é minha. A mensagem não era para jogarmos assim. Se fosse para empatar não teríamos jogado assim, em 4x3x3", justificou o selecionador nacional.

O selecionador queixou-se que "alguns jogadores não conseguiram perceber bem as mensagens" passadas e que ao intervalo explicou melhor o que pretendia: "Queria que os nossos laterais subissem mais, jogassem mais a frente. O jogo aí ficou mais equilibrado. Não houve tanta dificuldade. Criámos 2 ou 3 oportunidades de golo, eles também. Tivemos lance flagrante do Renato. A dada altura teve que sair. Metemos o Bruno para continuar a dar mobilidade à equipa."

E tirou Bernardo Silva... "Ele pediu para sair. Não sou tolinho. Era o jogador que estava a desequilibrar, por alguma coisa teve que ser. Entrou na segunda parte e disse que as pernas estavam muito usadas, já não conseguia mais. Obviamente que não era ele que ia ser substituído. Mas teve que ser."

Bernardo Silva: "Desde já, pedir desculpa aos portugueses"

"Péssimo jogo de Portugal. Marcamos cedo mas a partir daí deixamos de jogar. Não consigo encontrar grandes explicações. Podemos fazer muito melhor. Temos um playoff que vamos disputar e vamos dar o nosso melhor para nos qualificarmos. Com um estádio com 65 mil pessoas tínhamos de fazer muito melhor. Desde já, pedir desculpa aos portugueses que vieram aqui assistir a um jogo que não deveria ter existido", disse o médio do Manchester City à RTP.

Segundo João Palhinha o balneário "está de rastos" e sabe o que devia ter feito e não fez. "Sabemos que não fizemos um bom jogo. Acreditamos que ainda está ao nosso alcance. A Sérvia teve a felicidade de, nos últimos minutos, marcar o golo da vitória. Estamos muito tristes, temos de ir atrás do apuramento no playoff", disse o médio do Sporting, que este domingo foi suplente e só entrou perto do fim do jogo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG