Dragão de mão cheia passeia no Algarve (1-5)

FC Porto goleou no terreno do Portimonense por 5-1, com um golo de Otávio bis de Marega e Soares, em partida da 24.ª jornada da I Liga. Portistas voltam a ter cinco pontos de avanço sobre o Benfica, e agora mais oito do que o Sporting, que tem menos um jogo

O FC Porto foi este domingo a Portimão golear o Portimonense por 5-1, tornando fácil uma deslocação que Sérgio Conceição tinha perspetivado com uma das mais complicadas até ao final da temporada.

Os dragões entraram a todo o gás e inauguraram o marcador logo aos 10 minutos, por Marega, a passe de Soares, na conclusão de um velocíssimo contra-ataque. Passados seis minutos, a equipa de Sérgio Conceição dilatou a vantagem, por intermédio de Otávio, assistido por Marega.

O avançado maliano dos portistas voltou a estar em evidência no final da primeira parte, ao responder com um remate certeiro a um cruzamento na direita de Maxi Pereira (44').

No segundo tempo, esteve em destaque a principal novidade no onze do FC Porto, o lateral Diogo Dalot, que atuou no lugar do lesionado Alex Telles e somou duas assistências nos derradeiros 45 minutos. Primeiro, fez um cruzamento milimétrico para um cabeceamento certeiro de Soares (59'). Depois, serviu Brahimi para o quinto golo, num lance em que o argelino só teve de desviar a bola subtilmente para a baliza de Ricardo Ferreira (66').

Já em tempo de compensação, Lucas Possignolo reduziu para os algarvios, na resposta a um livre lateral muito bem executado por tabata (90+2').

Com 24 jornadas já decorridas, o FC Porto segue na liderança do campeonato com cinco pontos de vantagem sobre o Benfica e oito sobre o Sporting, que nesta ronda apenas entra em campo nesta segunda-feira (21.00), frente ao Moreirense, em Alvalade.

Onzes iniciais:

Portimonense - Ricardo Ferreira; Hackman, Lucas Possignolo, Felipe Macedo e Rúben Fernandes; Ewerton, Pedro Sá e Dener, Tabata, Fabrício e Nakajima.

Suplentes: Carlos Henriques, Rafa Soares, Ryuki, Marcel, Wellington, Manafá e Pires.

FC Porto - Casillas; Maxi, Felipe, Marcano e Dalot; Hernâni, Sérgio Oliveira, Herrera, Otávio e Brahimi; Marega e Soares.

Suplentes: José Sá, Hernâni, Óliver, Gonçalo Paciência, Warris, André André e Reyes.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.