Dragão de mão cheia passeia no Algarve (1-5)

FC Porto goleou no terreno do Portimonense por 5-1, com um golo de Otávio bis de Marega e Soares, em partida da 24.ª jornada da I Liga. Portistas voltam a ter cinco pontos de avanço sobre o Benfica, e agora mais oito do que o Sporting, que tem menos um jogo

O FC Porto foi este domingo a Portimão golear o Portimonense por 5-1, tornando fácil uma deslocação que Sérgio Conceição tinha perspetivado com uma das mais complicadas até ao final da temporada.

Os dragões entraram a todo o gás e inauguraram o marcador logo aos 10 minutos, por Marega, a passe de Soares, na conclusão de um velocíssimo contra-ataque. Passados seis minutos, a equipa de Sérgio Conceição dilatou a vantagem, por intermédio de Otávio, assistido por Marega.

O avançado maliano dos portistas voltou a estar em evidência no final da primeira parte, ao responder com um remate certeiro a um cruzamento na direita de Maxi Pereira (44').

No segundo tempo, esteve em destaque a principal novidade no onze do FC Porto, o lateral Diogo Dalot, que atuou no lugar do lesionado Alex Telles e somou duas assistências nos derradeiros 45 minutos. Primeiro, fez um cruzamento milimétrico para um cabeceamento certeiro de Soares (59'). Depois, serviu Brahimi para o quinto golo, num lance em que o argelino só teve de desviar a bola subtilmente para a baliza de Ricardo Ferreira (66').

Já em tempo de compensação, Lucas Possignolo reduziu para os algarvios, na resposta a um livre lateral muito bem executado por tabata (90+2').

Com 24 jornadas já decorridas, o FC Porto segue na liderança do campeonato com cinco pontos de vantagem sobre o Benfica e oito sobre o Sporting, que nesta ronda apenas entra em campo nesta segunda-feira (21.00), frente ao Moreirense, em Alvalade.

Onzes iniciais:

Portimonense - Ricardo Ferreira; Hackman, Lucas Possignolo, Felipe Macedo e Rúben Fernandes; Ewerton, Pedro Sá e Dener, Tabata, Fabrício e Nakajima.

Suplentes: Carlos Henriques, Rafa Soares, Ryuki, Marcel, Wellington, Manafá e Pires.

FC Porto - Casillas; Maxi, Felipe, Marcano e Dalot; Hernâni, Sérgio Oliveira, Herrera, Otávio e Brahimi; Marega e Soares.

Suplentes: José Sá, Hernâni, Óliver, Gonçalo Paciência, Warris, André André e Reyes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.