Herrera apto para visita à Juventus

O jogador do FC Porto foi reintegrado nos trabalhos, após ter sido dado como apto pelo departamento médico do clube para a partida da Liga dos Campeões

O futebolista mexicano Hector Herrera voltou este sábado a treinar sem limitações, na primeira sessão do FC Porto de preparação para a visita de terça-feira à Juventus, da segunda mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões.

Lesionado desde a partida com os italianos (derrota por 2-0), a 22 de fevereiro, o médio regressou ao trabalho sem limitações com o restante plantel do FC Porto, um dia depois da goleada sobre o Arouca (4-0), na 25.ª jornada da I Liga.

Ainda a trabalhar de forma condicionada continua o também mexicano Corona, tendo o treinador Nuno Espírito Santo chamado Musa Yahaya, Tony Djim, Cláudio Ribeiro e Bruno Costa, da equipa B, e o guarda-redes Ricardo Silva, dos sub-19.

Os 'dragões' têm um dia de folga no domingo e viajam para Turim na segunda-feira, às 9:20. Às 18:30 locais (menos uma hora em Portugal continental), Nuno Espírito Santo e um treinador farão a antevisão da partida, 30 minutos antes do treino no Estádio da Juventus.

Para se qualificar para os quartos-de-final, o FC Porto terá de dar a volta a uma desvantagem de 2-0 em Itália.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.