Pinto da Costa pede ajuda aos deputados

O presidente do FC Porto jantou com deputados adeptos portistas e atirou-se ao IPDJ, à falta de legalização das claques do Benfica e, ironicamente, referiu que não tem uma relação íntima com Angola

"Neste momento o futebol português não estará bem integrado no espírito da democracia", começou por afirmar Jorge Nuno Pinto da Costa, questionado pelos jornalistas à chegada a um jantar na Assembleia da República, em Lisboa, com deputados apoiantes do FC Porto.

Questionado sobre que mudanças preconizava, o dirigente portista acrescentou: "Muita coisa. E isso já pode competir e ter a ajuda dos senhores deputados."

"Por exemplo, não faz sentido que haja registadas no Instituto Português da Juventude (IPDJ) 23 claques oficiais dos clubes, que não conste nenhuma do Benfica, e que no entanto a Federação [Portuguesa de Futebol] as reconheça. E que o IPDJ depois venha dizer que as claques do Benfica nunca tiveram problemas com a polícia nem com as federações. Quando ainda há dias assistimos à detenção de um indivíduo que tinha morto outro e há anos andava fugido. E isto já é uma questão de leis e de justiça e uma coisa que caberá se calhar um dia a esta casa tomar medidas", afirmou.

Relativamente à decisão do Ministério Público (MP) de juntar os inquéritos dos 'vouchers' e dos 'emails' do Benfica num só processo, esta semana conhecida, Pinto da Costa ironizou: "Se é para ser mais rápido vejo com satisfação. Se na prática não for mais rápido vejo com insatisfação. Mas como não percebo nada disso nem sou jurista, nem percebo muito como funciona o Ministério Público, nem tenho nenhuma relação mais íntima com Angola, é uma coisa que não me interessa nada."

O presidente dos ´dragões´ saudou, de resto, o que considerou ser o número crescente de parlamentares simpatizantes dos 'azuis e brancos'.

"Há 23 anos que acontece [o jantar] e é sempre com prazer redobrado que vemos cada vez mais deputados portistas, o que é uma esperança de que este país vai melhorar", disse.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...