Francisco J. Marques revela alegado email de pagamento ilegal da FPF ao Benfica

Suposto e-mail foi trocado entre Domingos Soares Oliveira e Paulo Gonçalves acerca de um jogo da Seleção Nacional na Luz, em 2009

O diretor de comunicação dos dragões, Francisco J. Marques, referiu-se esta terça-feira, durante o programa Universo Porto, no Porto Canal, a um e-mail trocado entre Domingos Soares Oliveira e Paulo Gonçalves acerca de um jogo da Seleção Nacional na Luz, em 2009.

"Só mais um e-mail para mostrar o tipo de gente que estamos a falar. Domingos Soares Oliveira [administrador da SAD do Benfica] escreve para o Paulo Gonçalves [assessor jurídico dos encarnados], na segunda-feira, 21 de setembro de 2009: 'Podem começar a tratar com o Miguel Pereira e Miguel Rei. Quanto ao contrato, está fechado do ponto de vista de negócio - deixem-me só contextualizar que isto tem a ver com um jogo Portugal-Hungria, no Estádio da Luz, jogo da Seleção Nacional e o contrato era com a federação -, o G.M. vai pagar pela porta do cavalo mais 50 K [50 mil], veja só a componentes jurídicas e pode preparar a assinatura'", começou por contar Francisco J. Marques, esta terça-feira, durante o programa Universo Porto, no Porto Canal.

"O G.M, é bom de ver que se trata de Gilberto Madail, presidente da Federação Portuguesa de Futebol à data dos factos. Convém deixar bem claro que isto não tem a ver com o atual presidente da federação, Fernando Gomes, mas com Gilberto Madail que então era o presidente da federação. Ora cá está mais uma revelação que carece de explicações por parte do Benfica e por parte do Gilberto Madail - e da federação por que não, enquanto instituição, era bom que os contratos fossem revelados", acrescentou de imediato.

Durante o mesmo programa, o diretor de comunicação dos dragões salientou também um alegado e-mail de Rui Pereira, diretor de segurança do Benfica, para Domingos Soares Oliveira, frisando que houve uma "estratégia montada" pelo clube lisboeta para atrasar a entrada dos adeptos do FC Porto no Estádio da Luz, num clássico de 2009. "Havia uma estratégia montada para atrasar a entrada dos adeptos do FC Porto e foi instalada uma segunda linha de revista pelos spotters da PSP. Este email é uma vergonha para o responsáveis do Benfica, que promovem uma estratégia para demorar a entrada dos adeptos do FC Porto. Mas, mais grave, é a PSP de Lisboa colaborar com isto. Não há uma PSP em Lisboa e outra de Bragança. O Benfica não é um estado dentro do estado. É uma prática irregular da PSP que propositadamente impede o acesso no tempo normal aos adeptos do FC Porto. Vão dizer que é ilegítimo o acesso aos emails? Eu quero é que isto acabe. Isto envergonha qualquer país. O Governo tem de pôr mão nisto. E o secretário de Estado [do Desporto] que venha falar sobre isto, que abra o inquérito e que puna os responsáveis se se comprovar isto. Esperemos que nunca mais volte a acontecer. São adeptos que chegam lá ao Estádio da Luz com mais de uma hora de antecedência", rematou.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.