Dos pelados de Pedorido à apoteose no Dragão

A nova coqueluche dos portistas sonhava desde a infância com um golo pelo clube do coração. Só três o fizeram com menos idade

A época 2016-17 tem sido um carrossel de emoções para Rui Pedro, herói do FC Porto na vitória sobre o Sporting de Braga, por 1-0, ao fazer o golo do triunfo aos 90+5 minutos, na sua estreia na I Liga. O avançado de 18 anos começou a época na equipa B, voltou a jogar pelos juniores, regressou à equipa B, continua a dar uma perninha na UEFA Youth League (é o 2.º melhor marcador, com seis golos) e estreou-se com a camisola principal nos dragões.

Após 44 minutos na equipa principal (já tinha jogado 29, frente ao Belenenses, na Taça da Liga), fez aquilo que o FC Porto não conseguia há mais de 520 minutos: um golo, o que permitiu o regresso às vitórias, quase um mês depois, e um ânimo reabilitado na luta pelo título de campeão.

Rui Pedro é, há muito, visto como uma das grandes promessas da formação do FC Porto. Em junho renovou contrato até 2021, numa altura em que já era cobiçado por clubes ingleses. A "culpa" foi de quatro golos que marcou ao Tottenham na Frenz Internacional Cup, exibição que colocou o atacante no mapa das equipas britânicas. O jovem avançado, que chegou a ser agenciado pelo filho de Pinto da Costa, chegou mesmo a ser alvo de propostas concretas e de negociações com vista a uma saída no último verão, mas acabou por permanecer no clube.

Rui Pedro já ultrapassou Depoitre na hierarquia de opções de Nuno Espírito Santo e tornou-se o quarto jogador mais jovem de sempre a marcar na estreia pelo FC Porto na I Liga, só superado por Rúben Neves, Fernando Gomes e Ângelo. Um momento há muito sonhado por Rui Pedro, contou ao DN Tiago Marques, amigo de infância do avançado natural de Pedorido, Castelo de Paiva.

"Aquilo que nos juntava eram as peladas nas ruas. Nessa altura dos 10 ou 11 anos, já mostrava superioridade em relação a todos os miúdos. Destacava-se, era incrível", revela o jovem, que curiosamente é adepto do Benfica, mas não hesitou na hora de celebrar o golo do amigo Rui Pedro no Estádio do Dragão, onde esteve a ver o jogo com o Sp. Braga.

"Estivemos juntos a noite toda. Foi inexplicável, acho que não tenho as palavras certas para descrever o momento. Não é fácil ver o trabalho de uma pessoa tão humilde ser recompensado desta forma hoje em dia. Foi incrível", realçou, considerando que Rui Pedro está "a viver o pico de felicidade da sua vida", com um momento sonhado "desde a infância".

Rui Pedro deixou o Sporting Paivense em 2012, para a formação do FC Porto, e chegou a viver um momento de azar em 2014: foi chamado aos treinos da equipa A por Lopetegui, quando tinha 16 anos, mas lesionou-se e não voltou a ter a oportunidade com o espanhol.

Depoitre no mercado

Admirador de Lionel Messi, é no ex-portista Radamel Falcao que Rui Pedro se inspira, ele que deverá entrar nas contas de Nuno Espírito Santo para a receção ao Leicester, na quarta-feira, para a Liga dos Campeões.

Rui Pedro deverá ter, pelo menos, um lugar reservado no banco, uma vez que Depoitre não convence os responsáveis portistas, que avaliam a possibilidade de uma saída do ponta-de-lança contratado ao Gent no próximo mercado de inverno.

Nuno Espírito Santo garantiu que "não deixa cair" nenhum jogador e que a pouca utilização de Depoitre não é um atestado de dispensa, mas a pouca utilização do ponta-de-lança e a aposta em Rui Pedro reduz o espaço para o atacante de 1,91 metros. A imprensa belga, de resto, já noticiou o interesse do Zulte Waregem em garantir Depoitre, embora o elevado valor pago pelo FC Porto pelo jogador (cerca de seis milhões) e o salário do futebolista condicionem um possível empréstimo.

Certo é que a decisão de prescindir de Depoitre não merecerá hesitações se Rui Pedro voltar a revelar-se decisivo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG